quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Ditadura Mundial dos Banqueiros - Parte [2 de 5] - Os Donos do Planeta


Veja Todas as Partes: [Parte 1] - [Parte 2] - [Parte 3] - [Parte 4] - [Parte 5]
*Plutocratas - os donos do Mundo (*A plutocracia [do grego ploutos: riqueza; kratos: poder] é um sistema perpetuo no qual o poder é exercido pelo grupo mais rico)
Você Sabe o que é "O Salto Quântico Genético"? [Clique Aqui]

A idéia dos banqueiros era simples. Eles fundariam um banco central [*4], sancionado pelo governo, que pudesse criar dinheiro a partir do nada e emiti-lo na forma de empréstimos. Era o mesmo modelo elaborado pelos ourives ao amanhecer do milênio, mas aplicado em uma escala astronômica. Afinal, o recipiente dos fundos era o próprio Estado britânico.Todo empréstimo gera juros, especialmente as quantias profusas requisitadas pela Coroa para cobrir os custos de guerra. Incapaz de arcar com tais cifras, o Estado recorreu ao povo.Anualmente, cada cidadão britânico deveria contribuir com uma quantia que, somada, compensaria pelos juros cobrados pelos banqueiros, permitindo, assim, a continuidade do acordo.Essa descrição pode soar familiar. Sim, o povo estava pagando impostos. Mas esses não iam para os cofres reais. Cada contribuinte estava enviando dinheiro a uma empresa estrangeira [enganosamente chamada de ‘Banco da Inglaterra’ para ocultar sua natureza privada], que em última análise falsificava a moeda da Inglaterra e a vendia a prazo para o seu próprio Estado – que por sua vez repassava os juros para a população!


O sistema de bancos facionários lhes permitia emprestar quantias dez vezes maiores do que eles tinham em reserva, literalmente cobrando percentuais sobre um dinheiro que não existia. Os banqueiros por trás desse golpe não tinham a menor intenção de reaver o dinheiro emprestado – quanto mais tempo a Inglaterra demorasse a quitar seu débito, mais taxas se acumulariam. O lucro desse plano residia nos juros. Cada vez maiores... inalcançáveis. No período de quatro anos que sucedeu a fundação do Banco, a dívida externa da Inglaterra subiu de um milhão e meio de libras para dezesseis milhões.


A resposta do Estado a isso era acrescer os impostos periodicamente, condenando o orgulhoso império inglês aos caprichos de um novo governo invisível. A criação do Banco da Inglaterra foi um evento épico sem precedentes na história, mas uma bala perdida entre suas repercussões cruzou o oceano Atlântico sem que ninguém percebesse. Mais tarde, essa distração viria à tona para assombrar os novos plutocratas. Por ora, eles se aterram ao nicho europeu do cenário mundial, e ninguém incorporou o desejo de supremacia econômica de forma tão selvagem como a família RothschildAs raízes desses personagens se encontram na corte do Príncipe William de Hesse, em Frankfurt, grande pólo financeiro da Alemanha em meados de 1800. Além de atender às suas responsabilidades como governante, William construiu uma certa reputação no curioso negócio de aluguel de tropas militares – pelo preço certo, ele fornecia soldados a qualquer nação da Europa [*5]. Seu cliente mais íntimo era, sem dúvida, a Inglaterra imperialista, que na época recheava os cofres de William em troca de homens para vigiar suas recém-fundadas colônias na América do Norte (o lendário cavaleiro sem cabeça, a propósito, pertencia a esse exército).


Tal empreitada rendeu ao príncipe uma fortuna generosa, fazendo dele o homem mais rico do Ocidente na data de sua morte. Esse título atraiu sua parcela de parasitas à corte de William, mas ninguém teria tanto sucesso em se aproveitar do príncipe como Mayer Amschel Bauer, seu contador particular. Judeu alemão nascido em 1743, Mayer aproximara-se do príncipe através de seu interesse por moedas raras e antiguidades (Mayer fora um numismata antes de ser banqueiro). Quando instabilidades políticas forçaram William a fugir para a Dinamarca, sua confiança em Mayer era tanta que ele pediu ao banqueiro que guardasse uma parte de suas reservas (o equivalente a $ 3.000.000 de dólares na época) e as convertesse em cônsuls britânicos. Reza a lenda que esse dinheiro foi escondido em barris de vinho, e após iludir as inspeções dos soldados de Napoleão, retornou às mãos de seu dono até a última moeda. Os fatos são menos românticos, e um tanto mais utilitários – Mayer se apossou do montante integralmente (que, por sua vez, já tinha sido roubado por William de seus mercenários nas colônias americanas, merecedores do dinheiro por direito).

Tendo a fortuna duplamente fraudada como sólida base para suas futuras operações, Mayer assumiu inteiramente o sobrenome Rothschild – ‘escudo vermelho’ em alemão – tornando-se o patriarca de uma longeva família que, somados todos os seus bens, é provavelmente a mais rica do *século XXI [*Nota do site: Ela é tida como a família mais rica do planeta, usa diversos laranjas pelo mundo todo para disfarçar a fortuna, donos dos bancos mais poderosos do planeta, inclusive de bancos centrais, como o Federal Reserve dos EUA]. Mayer revelou ser, além de cortesão extraordinário, um ágil procriador. Antes da conclusão do episódio envolvendo o príncipe William, ele teve cinco filhos homens, os quais não hesitou em apresentar às artes financeiras. A fim de expandir a abrangência do império Rothschild, o patriarca enviou cada um de seus filhos para um centro financeiro da Europa – Londres, Berlim, Paris, Viena, e Nápoles – onde eles abriram bancos e inventaram um sistema de intercomunicação vastamente superior aos correios da época. Quando Mayer Rothschild morreu em 1812, sua rede de banqueiros já retinha uma fortuna que rivalizava os mais ricos aristocratas da Europa.

Não há dúvida de que essa rápida ascensão devia-se às características singulares da família Rothschild – por exemplo, seus membros se casavam com seus primos de primeiro e segundo grau, assim preservando a vasta fortuna da família. Também era explicitamente proibido entre eles fazer inventários públicos de qualquer transação ou valor de heranças. É quase como se o vício em minuciosidade fosse um presságio para o nascimento de feitos extraordinários.

Veja Todas as Partes: [Parte 1] - [Parte 2] - [Parte 3] - [Parte 4] - [Parte 5]

Notas:

4 Smith, A. Of Public Debts in Wealth Of Nations
5 Frederic Morton, The Rothschilds


Tags: bancários, bancos, banqueiros, capital, capitalismo, crise, crises, governo oculto, greve,sociedades secretas,maçonaria,bohemian crove,elite,empresários,governo real,quem realmente governa,sistema de bancos,capitalismo,crise econômica,

Nenhum comentário:

GoogleAnalytics

O que Está Acontecendo?

- “Lamento, eu lamento muito... mas a maior revelação que o ‘Salto’ trás não é consolador, mas sim perturbador. O Mundo em que estamos é um campo de concentração para extermino de uma Super Potencia do Universo Local”. [Bruno Guerreiro de Moraes]