sábado, 7 de setembro de 2019

Mapa do QI (Quociente de Inteligência) no Mundo - Média Mundial por País - QI das Raças Humanas - QI Médio

Você Sabe o que é “O Salto Quântico Genético”? [Clique Aqui]

Assunto Relacionado: CRISPR/Cas9 (AQUI)

Veja esse mapa abaixo, é chocante... algo realmente muito polêmico, mas é verdadeiro. Foi medido o QI médio da população de cada país, e esse é o resultado. O que esse mapa mostra é uma clara diferença no QI das Raças humanas. Essa informação é bombástica! E sendo explorada por pessoas mal-intencionadas pode aprofundar o preconceito e o racismo. Mas não se pode negar a realidade dos fatos. Realmente é assim que é, e esse fator é determinante para o desenvolvimento maior ou menor de cada nação da Terra.

(Clique na imagem para ver ampliada)

Então nem precisa de muita explicação... as pontuações de QI se refere ao nível de racionalidade, poder de análise lógica e objetiva. Quanto mais se pontua, mais inteligente e capacitada intelectualmente uma pessoa é, consequentemente ela será mais bem-sucedida em tudo que for realizar na vida.

Se a população inteira de um país tiver uma média alta de QI esse país irremediavelmente será (mais cedo ou mais tarde) um país rico e influente. Se a média do QI for mediano, a nação num geral será de importância mediana, e se o QI for baixo, naturalmente esse país será problemático, conturbado e envolvido em guerras constantes, sofrendo assim com a pobreza profunda.

O quesito QI médio da população é fundamental para determinar a riqueza e importância do país, independentemente de seu tamanho ou riquezas naturais.

E esse estudo expõe uma triste verdade, a raça negra é a que pontua mais baixo... mas então por isso essa raça tem de ser considerada inferior? O que as outras raças humanas deveriam fazer perante tal fato? Exterminar os Negros? Claro que não! O que se deve fazer é corrigir essa genética de alguma forma.

A genética da raça negra tem problemas, e tem virtudes, ela tem "prós e contras", assim como todas as outras raças. Mas o “contra” que é verificado na raça negra é bem problemático, pois no mundo moderno você ter um nível de racionalidade analítica sofisticada é fundamental.

Já no passado nem tanto... num tempo em que a força dos braços e pernas contavam mais do que sua habilidade intelectual para sobreviver, nessa época, os negros imperavam.

Mas para a sorte de todos nós a engenharia genética está aí para ajudar a humanidade, e deve ser colocada a favor da raça negra para corrigir esse problema. É preciso fazer uma intervenção no DNA de toda a raça.

Existe diferenças entre as raças humanas, e isso é inegável, e graças a engenharia genética tendências mais destrutivas ou muito limitantes poderão ser corrigidas de agora em diante - Veja sobre CRISPR/Cas9 (AQUI)

O Brasil é um país mediano em termos de QI, ficamos numa média de cerca de 88 pontos. Já os europeus num geral pontuam numa média de 95 até 100. Aqui no Brasil temos muitos imigrantes Europeus, e uma grande população de negros foi trazida para cá, e se misturou, então o resultado foi uma queda geral no QI da população.

Mas cada estado do país tem suas idiossincrasias, a população de negros e mestiços no Sul é menor, por isso é de se especular que se fosse feita a análise por estado, esses estados iriam pontuar igual aos seus descendentes diretos.

A Argentina e o Uruguai pontuam como os europeus, então isso comprova a hipótese, lá a população de negros é muito pequena.

E veja que isso não é uma implicância com a África, países cuja maioria da população é negra pontua baixo, como é o caso do Haiti uma ilha do caribe com quase 100% de população negra, Jamaica, que é o mesmo caso.

É preciso RECONHECER O PROBLEMA, PARA RESOLVER ESSE PROBLEMA! Não estamos defendendo nem racismo, nem extermínio de “suposta raça inferior”, o que tem de ser feito é a correção desse problema na genética da raça por meio da engenharia genética, que já nos fornece soluções para isso. Simples assim... sem necessidade de qualquer drama aqui, ok?

Esconder esse fato, e não debater o assunto (para achar uma solução) não ajudará os negros, o problema não sumirá apenas por ignora-lo. 

A raça amarela é de longe a mais inteligente/racional, é preciso estudar o que faz os asiáticos ser tão inteligentes e aí melhorar as outras raças replicando essas qualidades. A engenharia genética deverá dar jeito nisso, para o bem de toda a raça negra, e para o bem de todos num geral.

Agora segue maiores informações sobre esse estudo de levantamento de dados, e quem são seus autores

A raça negra claramente tem problemas, é dever das outras raças ajudar os negros, com a engenharia genética isso pode ser resolvido de forma definitiva

A inteligência é uma qualidade sumamente desejada, já que ao que parece está correlacionada com rendimentos, saúde, status e demais. Segundo as pesquisas dos professores Richard Lynn e Tatu Vanhanen existe uma clara correlação entre o quociente intelectual e a economia de um país. Estes mesmos professores realizaram estudos em mais de 80 países para determinar a média de QI da população.

Há uma grande polêmica em torno de se o QI é somente algo que tem que ver com o meio ambiente, a educação e os fatores culturais, ou se a genética exerce também influência nisso. Ao que parece, a ciência inclina-se a pensar que tanto a genética como o meio influenciam; ainda que seja notável que a inteligência herdada geneticamente por sua vez é influenciada pelo ambiente, de modo que existe uma rótula de retroalimentação. De qualquer forma, existe também uma noção entre os cientistas de que o QI só mede um tipo de inteligência e não deve ser considerado um padrão.

A seguir apresentamos a referida lista, com os países do leste da Ásia ocupando todos os primeiros lugares. Itália, Islândia e Suíça completam o top 10. Na América Latina, Uruguai ocupa o lugar 39, com 96 pontos; Argentina o 47, com 93; Chile o 61, com 90; Costa Rica o 65, com 89; Brasil, Equador e México têm 88.

Livros que detalham os Estudos:
Livros: IQ and the Wealth of Nations (QI e a riqueza das nações) e QI and Global Inequality (QI e a desigualdade global)

IQ and the Wealth of Nations é um livro escrito pelo Dr. Richard Lynn, (professor emérito de psicologia na Universidade de Ulster, Irlanda do Norte), e pelo Dr. Tatu Vanhanen, (professor emérito de Ciência Política da Universidade de Tampere, Tampere, Finlândia) publicado pela primeira vez em 2002.

O livro fala sobre as diferenças da renda nacional (na forma de per capita do produto interno bruto) esteja em correlação com as diferenças no quociente de inteligência nacional médio (QI).

Os autores interpretam esta correlação mostrando que o QI é um fator importante que contribui para as diferenças na prosperidade nacional e taxas do crescimento econômico, mas que ele não é o único determinante dessas diferenças.

Os dados, a metodologia, e as conclusões foram claras e não deixa dúvidas, a média do QI nacional determina se uma nação será mais rica e prospera em todos os sentidos ou não.

O livro de 2006 “QI and Global Inequality” (QI e a desigualdade global) é uma continuação do “IQ and the Wealth of Nations” (QI e a riqueza das nações).

Os autores escrevem que é responsabilidade ética das nações ricas e com alto QI ajudar financeiramente as nações pobres e com baixo QI, pois é responsabilidade dos cidadãos ricos ajudar os pobres.

O livro foi citado várias vezes na imprensa popular, notadamente no jornal conservador britânico o “The Times”, em razão de Tatu Vanhanen ser o pai de Matti Vanhanen, o primeiro-ministro da Finlândia, seu trabalho recebeu ampla publicidade nesse país.

A lista de países ordenada por quociente de inteligência obtida por Richard Lynn é baseada em diversos estudos já existentes antes da publicação do livro. Contudo, estudos não estavam disponíveis para 104 dos 185 países. 

Nestes casos, os autores estimaram valores utilizando-se da média obtida por países vizinhos, ou com características semelhantes. Por exemplo, os autores chegaram a um valor de 84 para El Salvador após fazerem a média dos valores de 79 para Guatemala e 88 para Colômbia.

O QI médio mundial foi medido, e essa foi a conclusão

Fontes:

Livro IQ and the Wealth of Nations (QI e a riqueza das nações)
Mapa do QI no mundo os países mais e menos inteligentes do mundo:

Bruno Guerreiro de Moraes, apenas alguém que faz um esforço extraordinariamente obstinado para pensar com clareza...

Tags: Mapa do QI Mundo, QI EUA, Quociente de Inteligência, QI médio Brasil, QI raça Branca, QI raça Negra, QI raça Amarela, QI europa, QI América, QI Ásia, QI and Global Inequality, QI e a desigualdade global, IQ and the Wealth of Nations, QI e a riqueza das nações, Richard Lynn, Tatu Vanhanen, Quociente de Inteligência, Média Mundial, QI País, QI das Raças Humanas,

2 comentários:

Matheus Igor disse...

Admito que havia percebido isso faz algum tempo. Creio também que as influências históricas não permitiram que os negros continuassem se desenvolvendo. Acredito que eles tenham grande potencial, podemos citar os egípcios e todo seu império, além de figuras importantes como Obama, Neil DeGrasse Tyson e Nelson Mandela. Sem contar toda a cultura espiritual desse povo que fizeram sua contribuição para o que conhecemos como Umbanda, Candomblé e Vodoo.
Espero poder ver essa e tantas outras correções genéticas acontecerem, porém, parece que a África e os negros foram escolhidos para passar por situações não muito agradáveis pois todos os países, mesmo com suas enormes riquezas e recursos dão migalhas á esse continente que tanto usaram para extrair recursos.

Unknown disse...

Devemos considerar a pessoa por outras qualidades alem de numeros frios de QI, alguns genios podem ser bem arrogantes, e a historia mostra q muitos homens brancos dito inteligentes eram absurdamente estupidos. Falam de Orgulho Branco, mas nunca estao contentes e satisfeitos, sempre doentinhos de quero quero, carencia cronica fantasiosa.

GoogleAnalytics

O que Está Acontecendo?

- “Lamento, eu lamento muito... mas a maior revelação que o ‘Salto’ trás não é consolador, mas sim perturbador. O Mundo em que estamos é um campo de concentração para extermino de uma Super Potencia do Universo Local”. (Bruno Guerreiro de Moraes)