sábado, 10 de janeiro de 2009

As Pirâmides de Gizé - [6 de 7] - Mistérios Fantásticos e Ainda Longe de Serem Desvendados

Você Sabe o que é "O Salto Quântico Genético"? [Clique Aqui]

Pirâmides de Gizé
Mistérios Ainda não Desvendados Parte [6 de 7]
Parte [1] Clique Aqui - Parte [2] Clique Aqui - Parte [3] Clique Aqui - Parte [4] Clique Aqui - Parte [5] Clique Aqui - Parte [6] Clique Aqui - Parte [7] Clique Aqui 

Foto do Egito a noite visto do espaço, localização exata no continente Africano


Aqui uma Estatua feita de diorita (uma das rochas mais duras que existem na Terra), vejam só os detalhes, ela foi muito bem feita. Mas como? Usando que tipo de tecnologia? Tinha tecnologia no tempo do egito antigo? O engenheiro perito em tratamento e perfuramento de pedras o inglês Christopher Dunn diz que pela sua experiência (que não é pouca) é impossível se talhar um tipo de rocha tão dura como essa sem o uso de maquinas de alta tecnologia, mesmo hoje em dia fazer uma estatua assim seria muito difícil e caro...

Aqui mapa do esquema do interior da Grande Pirâmide de Alnitak (Quéops), mostra também os orifícios apelidados “respiradouros” que são buracos que varam milhares e milhares de blocos maciços de calcário e granito, desde as câmaras do “Rei” e da “Rainha” até o lado de fora, aqui vê-se que na verdade esses orifícios estavam alinhados com certas estrelas e constelações, tais como Órion, Sírios e Dragão. 

Pessoas perto dos blocos da base de uma das Pirâmides de Gizé

Pirâmides de Gizé, em 1987 foi feita uma datação da idade das Pirâmides pelo método do Radiocarbono e os resultados indicam que elas são no mínimo 450 anos mais antigas do que a Egiptologia ortodoxa havia determinado, isto é, a idade verdadeira destas construções está entre 5 mil ou 6 mil anos. E mais,  Nas pedreiras que dizem os “Arqueólogos” foi retiradas as pedras para a construção das Pirâmides de Gizé uma equipe de Geoquímicos da Universidade de Munique (Alemanha) concluíram que só começaram a ser exploradas há partir de 1600 a.c. Isto é, só mil anos depois que as Pirâmides já estavam erguidas segundo os “Entendidos

Aqui vemos uma Estela (tipo de placa de pedra parecida com uma lapide) onde se lê a historia do Faraó Tutmés IV, esse Faraó escreve que um *dia, antes de ser faraó, [quero dizer que ele não era Faraó, "um dia" é uma referencia a "uma época", antes dele ser Faraó, não que ele estava a apenas 1 dia para ser coroado... entenderam? Teve gente que leu essa parte e comentou que não fazia sentido, agora que está explicado, faz... certo?] de ser faraó,  ele estava viajando pelo deserto, então de noite ele acampou justamente em cima da Esfinge que na época estava totalmente coberta de areia, então teve um sonho naquela noite. A Esfinge aparecia para ele e prometia que se ele retira-se as areias que a cobriam ela o faria Faraó, ele era um nobre mas estava longe de poder suceder o Faraó da época. Mas acreditou na promessa da Esfinge e a desenterrou e então... poucos anos mais tarde ele de fato virou o novo Faraó. Mais detalhes sobre essa historia, [Clique Aqui

Estátua de granito sólido esculpida num bloco maciço, esse estátua é de Ramsés II

A "Face de Marte" em Cydonia, por que eu a coloquei aqui? O que isso tem a ver com o Egito?

Bem... Eu coloquei aqui por que tem muita gente por ai que diz que ali em Marte existe Pirâmides e a "Face" é um tipo de Esfinge. 
O local onde essas construções estão na face do planeta vermelho bate com a localização de Gizé na face do planeta Terra! Só uma simples coincidência? Bem... Eu não acredito em coincidências. E esse fato só vem a somar mais para aumentar a crença de que o Egito e seus monumentos suntuosos são SOBRENATURAIS, realmente obra dos Deuses, então os Deuses seriam Astronautas?

Aqui um mapa digital de Gizé

Aqui a Grande Pirâmide de Alnitak (Quéops) e a mítica "Arca da Aliança",esse mito da arca da aliança foi alimentado pelo que está na Bíblia, mas... Estudos arqueológicos sérios não confirmam essas historias. Muito pelo contrário! Ao que tudo indica a "Arca da Aliança" assim como a historia de Moisés e o êxodo foi tudo uma invenção fantasiosa dos levitas, um grupo de iniciados Babilônios (Sacerdotes que lidavam com as ciências ocultas) que por alguma razão não muito clara resolveram criar uma civilização usando de mentiras para legitima-la, todo o povo Judeu na verdade nunca existiu, eram Babilônios analfabetos refugiados que tinham migrado para a região que hoje em dia chamamos de Israel, as estórias bíblicas foram criadas a partir de contos babilônicos tais como a Epopéia de Gilgamesh. Toda a estoria do povo Judeu é mentira, é apenas ficção baseada em fatos reais, um apanhado de historias reunidas numa narrativa para enganar o povo. Por tanto toda a religião Judaica e suas vertentes, tais como Cristianismo, Islamismo foram construídas sob base de areia, é tudo falso, e tudo mentira, nada tem a ver com a realidade. Mais sobre o Assunto? Clique Aqui


Esfinge, segundo estudos feitos em 1991 até 1993 ela possui uma idade de no minima de 10 mil anos



Esfinge,mais de 10 mil anos de idade!

No meio das patas da Esfinge tem um tipo e capela, ali foi encontrado muitas estelas de vários Faraós, dentre as varias estelas teve uma que parecia ser de um tal de Quefrén... Mas não estava clara essa informação. No entanto os Egiptólogos materialistas/ateus/reducionistas, (leia-se: Pseudocientistas) não perderam tempo e saíram divulgando para o mundo todo que eles tinham desvendado quem havia mandado construir o monumento. Claro que até hoje existe um tipo de "Guerra" entre os arqueólogos honestos e os tendenciosos reducionistas, a verdade é bastante clara, mas por que os Egiptólogos PseudoCéticos continuam insistindo numa versão que é comprovadamente falsa? O que ganham com isso afinal? Duas palavras explica: Ideologia Materialista.


Detalhes do rosto da Esfinge, é sabido que o Rosto foi reformado dezenas, senão centenas de vezes, com o passar dos milênios; mas o corpo permaneceu intocado durante todo esse tempo; é no corpo do monumento que foi verificado erosão provocada por chuvas, erosões essas que só poderiam existir se a Esfinge tivesse mais de 10 mil anos!

E aqui está. O corpo da Esfinge, nele foi encontrado as erosões que comprovam que ela na verdade tem mais de 10 mil anos de idade

Pirâmides de Gizé, Índice do Artigo:

Parte [1] Clique Aqui - Parte [2] Clique Aqui - Parte [3] Clique Aqui - Parte [4] Clique Aqui - Parte [5] Clique Aqui - Parte [6] Clique Aqui - Parte [7] Clique Aqui

Bruno Guerreiro de Moraesapenas alguém que faz um esforço extraordinariamente obstinado para pensar com clareza...

7 comentários:

Anônimo disse...

AS PIRAMIDES FORAM CONSTRUIDAS POR EXTRATERRESTRES E ESTA RELACIONADA AO NOME NASA ILLUMINATI

Anônimo disse...

Olá, meu nome é Marcelo (só postei como anônimo pois não consegui postar com nome)
Abaixo da foto da Estela, onde o então Faraó Tutmés IV conta sua história, você diz primeiro que os fatos da história contada por ele se passam um dia antes dele virar faraó e logo à baixo você escreve que ele virou faraó anos depois do acontecido.
Bruno, eu admiro e concordo com muita coisa do que você diz, mas no momento em que li isso tive a impressão de que você inventou partes desta história. Cuidado com o que escreve, pois ocorrências como estas podem tirar a credibilidade de seu trabalho.
Espero que isso tenha sido apenas uma confusão no momento da escrita.
Gostaria de saber se existe algo documentado sobre esta história, e de onde você a tirou.
Obs: Estou muito interessado em fazer o processo do Salto Quantico, mas tenho que confiar em você, por isso quero esclarecer esta duvida.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Ah sim, li a parte que citou, e de fato não há lógica alguma no texto.

Se ele estava para ser coroado faraó um dia antes, como poderia ser coroado apenas anos depois? (Risos).

Sabe... isso de "tenho de confiar em você" me soou exageradamente choroso, não é claro que foi uma total confusão na hora de escrever?

Esses textos eu escrevi há mais de 4 anos atrás, e esse claro erro lógico passou despercebido desde essa época. Mas foi só isso...

Julgar a minha “credibilidade” por coisa tão pequena... Tsk,tsk,tsk...

Sobre a história da Estela, veja essa pagina:

http://cpantiguidade.wordpress.com/2010/02/01/tutmes-iv-e-a-grande-esfinge/

Entretanto sabe-se que durante o longo período da história do Egito antigo este monumento foi coberto várias vezes pelas areias do deserto. Milhares de anos depois de sua construção, por volta de 1413 a.C., ela encontrava-se coberta até o pescoço.
Foi nesta época que o jovem príncipe Tutmés, filho do faraó Amenhotep II, teve um sonho ao adormecer sob a esfinge durante uma caçada:
“Andando a caçar certo dia no deserto, sentou-se para descansar à sombra da grande Esfinge, ou ao menos daquilo que dela emergia da areia. Cansado, adormeceu e sonhou que a Esfinge lhe falava, ‘como um pai fala a um filho: Olha-me, pois, meu filho Tutmés, eu sou o teu pai Harmachis-Quéfren-Rá-Atum (…) Tu unirás a Coroa Branca e a Vermelha sobre o Trono de Geb, o Rei dos deuses (…) o meu coração está voltado para ti, porque tu deves ser o meu protetor. O meu coração está acabado e a areia do deserto me oprime; socorre-me e faze o que é o meu desejo, já que tu és o meu filho e Eu estou contigo; Eu sou o teu guia’. O príncipe desperta e coloca ‘as palavras do deus no silêncio do coração’”.
As palavras acima foram gravadas na chamada Estela do Sonho, que se ergue ainda hoje entre as patas da Esfinge, após o monumento ter sido desenterrado das areias do deserto por ordem do príncipe Tutmés quando este ascendeu ao trono com o nome de Tutmés IV, o oitavo faraó da XVIII dinastia egípcia, que governou o país de 1413 a.C. a 1405 a.C aproximadamente. E através delas pode-se deduzir que o príncipe Tutmés não estava, pelo menos a princípio, destinado ao trono do Egito.
Seguindo através deste raciocínio percebemos que neste episódio apareceu uma outra forma de tentativa de legitimação do poder real pelo faraó ou por seus partidários: a própria divindade, representada pela Esfinge, interveio no mundo dos homens e escolheu o sucessor do rei, recompensando-o com o trono real.
A chegada de Tutmés IV ao trono foi um golpe nos poderosos sacerdotes do deus Amon, da cidade de Tebas, que estavam acumulando poder com o favorecimento dos monarcas anteriores. O novo faraó demonstrou sua preferência para com Rá, divindade solar da cidade de Heliópolis, num episódio que é considerado pelos egiptólogos como o embrião da reforma religiosa realizada anos depois pelo faraó Akhenaton[1].

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Marcelo, fiz a correção na pagina, e note, foi você que não conseguiu interpretar o texto corretamente, leia o meu esclarecimento, sua "desconfiança" é completamente injustificada:

Aqui vemos uma Estela (tipo de placa de pedra parecida com uma lapide) onde se lê a historia do Faraó Tutmés IV, esse Faraó escreve que um *dia, antes de ser faraó, [quero dizer que ele não era Faraó, "um dia" é uma referencia a "uma época", antes dele ser Faraó, não que ele estava a apenas 1 dia para ser coroado... entenderam? Teve gente que leu essa parte e comentou que não fazia sentido, agora que está explicado, faz, certo?] de ser faraó, ele estava viajando pelo deserto, então de noite ele acampou justamente em cima da Esfinge que na época estava totalmente coberta de areia, ele então teve um sonho naquela noite.

Marcelo disse...

Olá Bruno, sou eu novamente.
Não tão “completamente injustificado”, pois uma virgula pode mudar todo o sentido de uma frase, como pudemos verificar aqui ("um dia antes de..." é diferente de "um dia, antes de..."), o que confundiu bastante, como você mesmo disse em sua primeira resposta. Mas eu errei também. Eu deveria ter percebido isso ao invés de desconfiar da veracidade da sua informação. Infelizmente me apeguei a este pequeno detalhe. Me desculpe!
Ultimamente tenho descoberto coisas que me fizeram confiar menos nas pessoas, e por consequência disso eu fico sempre com o pé atrás. O sistema se aproveita da nossa bondade e da nossa confiança e nos engana, nos cega e nos manipula por motivos fúteis como dinheiro e poder. Nos ensinaram a lei de Darwin e dês de pequenos nós acreditamos numa mentira, crescemos sendo obrigados a criar varias mascaras pra sobrevivermos nesta sociedade (tente ser totalmente sincero com seu chefe ou com sua mulher e verás!! rs), poucas são as pessoas que encaram de frente a verdade ao em vez de dizer uma mentirinha para não se prejudicar como faz a maioria (e eu não as culpo), e quando paramos pra analisar no que nos tornamos já não sabemos mais quem somos, não conseguimos mais nos desfazer dessas máscaras, o que atrasa nossa evolução. Eu busco a verdade, pois para mim particularmente ela se faz necessária à minha evolução, mas às vezes ocorre um equivoco da minha parte, como o que ocorreu aqui e que facilmente se esclarece com um bom diálogo como o que estamos tendo agora.
Novamente me desculpe Bruno. Você faz um ótimo trabalho abrindo os olhos e a mente das pessoas que leem seus artigos e textos. Torço para que continue com este trabalho nobre.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Tutmés IV e a Grande Esfinge

01 FEV
A Grande Esfinge de Gizé, guardiã das pirâmides dos faraós Miquerinos, Quefrén e Queóps – esta última conhecida como “A Resplandecente” e a única das Sete Maravilhas do mundo antigo ainda de pé – foi construída por volta de 2500 a.C., a mando do faraó Quefrén. Entretanto sabe-se que durante o longo período da história do Egito antigo este monumento foi coberto várias vezes pelas areias do deserto. Milhares de anos depois de sua construção, por volta de 1413 a.C., ela encontrava-se coberta até o pescoço. Foi nesta época que o jovem príncipe Tutmés, filho do faraó Amenhotep II, teve um sonho ao adormecer sob a esfinge durante uma caçada:

“Andando a caçar certo dia no deserto, sentou-se para descansar à sombra da grande Esfinge, ou ao menos daquilo que dela emergia da areia. Cansado, adormeceu e sonhou que a Esfinge lhe falava, ‘como um pai fala a um filho: Olha-me, pois, meu filho Tutmés, eu sou o teu pai Harmachis-Quéfren-Rá-Atum (…) Tu unirás a Coroa Branca e a Vermelha sobre o Trono de Geb, o Rei dos deuses (…) o meu coração está voltado para ti, porque tu deves ser o meu protetor. O meu coração está acabado e a areia do deserto me oprime; socorre-me e faze o que é o meu desejo, já que tu és o meu filho e Eu estou contigo; Eu sou o teu guia’. O príncipe desperta e coloca ‘as palavras do deus no silêncio do coração’”.

As palavras acima foram gravadas na chamada Estela do Sonho, que se ergue ainda hoje entre as patas da Esfinge, após o monumento ter sido desenterrado das areias do deserto por ordem do príncipe Tutmés quando este ascendeu ao trono com o nome de Tutmés IV, o oitavo faraó da XVIII dinastia egípcia, que governou o país de 1413 a.C. a 1405 a.C aproximadamente. E através delas pode-se deduzir que o príncipe Tutmés não estava, pelo menos a princípio, destinado ao trono do Egito.

Estátua de Tutmés IV e sua mãe, Tia, abraçados. Museu Egípcio do Cairo. Seguindo através deste raciocínio percebemos que neste episódio apareceu uma outra forma de tentativa de legitimação do poder real pelo faraó ou por seus partidários: a própria divindade, representada pela Esfinge, interveio no mundo dos homens e escolheu o sucessor do rei, recompensando-o com o trono real.

A Grande Esfinge de Gizé, com a Estela do Sonho, colocada a mando do faraó Tutmés IV, entre suas patas. Gizé, Egito. A chegada de Tutmés IV ao trono foi um golpe nos poderosos sacerdotes do deus Amon, da cidade de Tebas, que estavam acumulando poder com o favorecimento dos monarcas anteriores. O novo faraó demonstrou sua preferência para com Rá, divindade solar da cidade de Heliópolis, num episódio que é considerado pelos egiptólogos como o embrião da reforma religiosa realizada anos depois pelo faraó Akhenaton[1].

Detalhe da Estela do Sonho. Gizé, Egito.

[1] Quando por ordem do soberano foram proibidos os cultos a quase todas as divindades egípcias, com exceção de Aton, o disco solar. Os templos foram fechados e houve uma campanha que perseguiu principalmente o culto a Amon. Esta culminou com a raspagem do nome do deus dos templos e com a mudança da capital do Egito de Tebas, cidade cujo patrono era Amon, para uma nova cidade construída ao norte, Akhetaton (“O Horizonte de Aton”).

Referências Bibliográficas:

JOHNSON, Paul. História ilustrada do Egito antigo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

MELLA, Federico A. Arborio. O Egito dos faraós: história, civilização, cultura. São Paulo: Hemus, 1998.

TYLDESLEY, Joyce. Chronicle of the queens of Egypt. Londres: Thames & Hudson, 2006.

MARLOS SILVA disse...

eu fico intrigado e que diz que que as primeiras pessoas foi civilisadas na mesopotamia mais as piramides do egito e mais velha deque a torre de babel e ate mesmo o diluvio de noe nao encontra um estudioso de credibilidade para falar a verdade gobli tepe ainda e o dobro mais velho de tudo que tem no egito e na mesopotamia estamos a um passo para descobrir que os ceres civilisados cherao na terra de outros planetas a histiria humana nao bate com a historia dos animais que em milhoes de anos nao evoluiu em nada ate mesmo os humanos das americas tem uma civilisaçao de treis mil anos

GoogleAnalytics

O que Está Acontecendo?

- “Lamento, eu lamento muito... mas a maior revelação que o ‘Salto’ trás não é consolador, mas sim perturbador. O Mundo em que estamos é um campo de concentração para extermino de uma Super Potencia do Universo Local”. [Bruno Guerreiro de Moraes]