sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

O Mistério de Baalbek - Super Blocos [2 de 5] Sobrenatural

Os Trilithons do Vale do Beqaa

(Líbano) Parte (2 de 5)


Índice do Artigo:

Parte [1] Clique Aqui

Parte [2] Clique Aqui

Parte [3] Clique Aqui

Parte [4] Clique Aqui

Parte [5] Clique Aqui


Mas o que há de mais concreto sobre o assunto?


Bem as fontes mais seguras (
Arqueológicas) dizem sobre alguma cultura anterior muito antiga até mais antiga que os fenícios...

Seria os Egípcios os construtores de tal Super Murro?

Afinal eles construíram as
Pirâmides de Gizé que são igualmente “Sobrenaturais” mas se for assim por que eles não repetiram o feito em suas próprias terras nas margens do Nilo?

(
os blocos de Baalbek são muito maiores que os usados nas referidas Pirâmides como já dito)


Os Babilônios contavam sobre o seu mítico "
Deus" chamado Nimrod (que era um Rei mítico que depois passou a ser adorado como uma divindade ) que como um construtor de Torres ergueu o Murro para fazer um Terraço para então construir a sua Torre mais famosa; a também mítica “Torre de Babel”.

Mas essa versão claramente tem todos os sintomas de ser mais uma especulação aproveitadora para fortalecer mais uma religião (
um método muito velho que já era usado pelos sacerdotes desde os tempos da babilônia, e apenas imitado por aqueles que elaboraram a bíblia)



Os Trilithons do Vale do Beqaa, os blocos de Baalbek.
Notem que nas duas fotos tem homens perto das imensas pedras.


Aqui uma imagem que mostra bem o tamanho super gigante do Bloco de Baalbek


Agora vejam bem; dizer que tal Terraço foi feito pelos Gregos ou Romanos que mais recentemente ocuparam o local construindo templos ali é assinar o atestado da própria Burrice!

Pois:

Essa estupenda obra é única no mundo todo, essas culturas (
Grega e Romana) construíram grandes obras, mas jamais uma tão grande e usando de tais técnicas (Super blocos), o templo de Júpiter construído sobre o Terraço (suas ruínas se encontram lá até hoje) foi feito no século primeiro após cristo (dizem foi a partir do ano 27 depois de cristo que a obra começou, mas não há certeza disso, é apenas uma especulação dos arqueólogos).

Mesmo que tivesse começado a construir por essa época é bem sabido que os 54 pilares que formavam o templo de Júpiter (
6 continuam de pé até os dias de hoje) foram trazidos do Egito desmontados e então remontados em Baalbek, e reformados para parecerem ser obra dos Romanos.


Agora fica a pergunta:

"Se os Romanos eram capazes de esculpir e deslocar blocos gigantescos como os Trilithon e encaixá-los com tanta precisão então por que ter o trabalho de roubar do Egito os 54 pilares e trazê-los de tão longe para justamente construírem um templo em honra ao maior dos seus deuses?"

Não seria um vexame para os “
Poderosos” Romanos?

Outra ótima pergunta é:

“Se os Romanos eram capazes de esculpir e deslocar tão imensos blocos, então por que não existe construções similares na própria Roma, capital do Império?”

Existe um bloco ainda maior que aparentemente ficou “a
bandonado” na pedreira em que saíram os outros; segundo a “Lógica” dos *Céticos (digo: PseudoCéticos) ortodoxos materialistas, a razão disso é por que:

Ele foi esculpido grande demais e não pode ser deslocado como os outros

Mas se é assim então o lógica mais básica nos diz que os construtores deveriam então ter cortado esse bloco em pedaços menores para que esse pudesse ser aproveitado; seja para continuar a fazer o muro seja para esculpi-lo como um pilar para usar no templo, em vez de trazer pilares do Egito que fica há muitas centenas de quilômetros de distancia dali.

Os gregos e depois os romanos construiram templos gigantescos no terraço formado graças ao super muro de Baalbek, esses são respectivamente os templos de Júpiter, Baco e Vênus.


Atualmente estão em Ruínas...



Aqui outro angulo mostra as ruínas dos templos Romanos de Baalbek


Uma vez que Roma conquistou o Egito em 27 a.c os Césares desde essa época até o fim do Império (lá pelos idos de 476 d.c. segundo a "Historia oficial") passaram a desejar que obeliscos desse país fossem trazidos até a metrópole para servirem como troféus de conquista e Glôria.

Pois afinal de contas o Egito foi por milênios a
"Terra dos Deuses Encarnados", a maior potencia, indiscutivelmente a nação mais poderosa da Terra até então (ainda acho que era superior ao império Romano, o fato do Egito ter caído nas mãos dos romanos em 27 a.c é só por que o poderio original egípcio se perdeu com o tempo por varias razões, mas principalmente por causa do avanço do deserto e prolongadas secas que assolaram o País por séculos).

Ter um dos "
Sobrenaturais" super obeliscos Egípcios em Roma era uma Gloria inigualável, pois esses eram as obras dos deuses e agora os Romanos tinham chegado a tal nível de poder e influencia que podiam tomar para si esses monumentos espetaculares e impossíveis de serem imitados (construídos) por eles mesmos!

Obeliscos de Karnak, ambicionados pelos Romanos


Mas mesmo que eles pudessem dizer que eram os novos “
Donos do Mundo” trazer tais Obeliscos do Egito foi um desafio praticamente impossível.

Pois o limite de capacidade de transporte dos Romanos era de até 300 toneladas no máximo e isso fazendo muito esforço!

Assim qualquer monumento mais pesado que 300 toneladas era cortado ou então destruído parcialmente até ficar num tamanho “
deslocável” pelos patrões limite dos novos “poderosos” do mundo.

Foi isso que aconteceu com os mais de 54 pilares egípcios usados para fazer o templo de Júpiter em Baalbek, eles foram cortados em pedaços e trazidos aos poucos até o local da obra e depois um há um, foram remontados alcançando então mais de 20 metros de altura (
uma das maiores colunas de templos da Antiguidade : 20 m x ø2,30 m)


Colunas do antigo templo de Jupiter, foram roubados dos templos dos Faraós e trazidos para Baalbek pelos Romanos

Aqui foto mostra como é grande essas colunas, elas são originalmente egípcias


Mas o Terraço em si , esse é sem duvida alguma uma obra anterior aos Romanos e pelo que tudo indica é anterior também aos Egípcios pois o lógica diz que se os egípcios tinham como fazer uma obra assim, então seria natural que fizessem obras similares nas margens do Nilo (
certo?), mas como já dito nem nas Pirâmides de Gizé (as maiores obras de toda a civilização Egípcia), existe blocos tão imensos como os de Baalbek.

Tem os Obeliscos de Karnak e também as super estatuas de Ramsés II, mas nenhuma dessas obras ultrapassa as 1200 toneladas do bloco principal de Baalbek (
chamada pelos árabes de Hajar el Gouble, ou Pedra do Sul ou ainda “A pedra da mulher grávida”) e além disso:

- "Por que não construir as Pirâmides com blocos super gigantes como os de Baalbek?" -

Se podiam fazer então por que não fizeram? Não as tornaria ainda mais duráveis? E os outros templos... por que não construíram eles também com blocos gigantes?

Isso também não os tornaria mais duráveis e melhores?... Então?(!)

- "Se podiam fazer por que não fizeram?" -

Por que fazer uma super obra no meio das montanhas escarpadas de uma região longínqua e sem atrativos; e não fazê-lo as margens do Nilo no meio de suas mais importantes cidades?

Colunas de Baalbek do antigo templo de Jupiter dos Romanos


Jamais o Terraço de Baalbek poderia ter sido feito pelos Romanos!



Continua... Clique Aqui! para ver a Parte (3) do Artigo.


Índice do Artigo:

Parte [1] Clique Aqui

Parte [2] Clique Aqui

Parte [3] Clique Aqui

Parte [4] Clique Aqui

Parte [5] Clique Aqui


Bruno Guerreiro de Moraes, apenas alguém que faz um esforço extraordinariamente obstinado para pensar com clareza.

Um comentário:

Gustavo disse...

Realmente existem monumentos na Terra que dão a impressão que nunca a disciplina História foi ensinada como deveria. O que fazer com coisas que não poderiam existir, mas existem? Admirá-las ou repudiá-las. A segunda opção realmente não é inteligente.

GoogleAnalytics

O que Está Acontecendo?

- “Lamento, eu lamento muito... mas a maior revelação que o ‘Salto’ trás não é consolador, mas sim perturbador. O Mundo em que estamos é um campo de concentração para extermino de uma Super Potencia do Universo Local”. (Bruno Guerreiro de Moraes)