segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Curiosidade: Logo Depois do Evento do Sol Negro na América do Norte - Super Furacões e Terremotos se abatem sob o Continente

Você Sabe o que é “O Salto Quântico Genético”? [Clique Aqui]

Acompanhe as Tempestades ao Vivo! [Clique Aqui]
Sol Negro nos EUA em 2017, logo após o eclipse total do Sol o continente Norte Americano está sendo vítima de Terremotos e Super Furacões, todos recordistas de intensidade, e isso é apenas o começo...

Estou achando muito curioso esses fenômenos. Antigamente os Eclipses eram interpretados como sendo ‘portadores de maus presságios’... isso claro, hoje em dia é considerado como superstições de povos semi-analfabetos antigos. Numa época sem metodologia cientifica, onde não se podia contar com a ciência/racionalidade, onde a Religião imperava brutalmente e os surtos psicóticos/esquizofrênicos eram a fonte da “sabedoria”. (Clique Aqui) as superstições imperavam.

Mas veja que curiosidade interessante... logo depois do evento de eclipse mais longo do século, percorrendo todo o território dos EUA de costa a costa (veja imagem abaixo) a América do Norte está sendo castigada por super furações (todos recordistas históricos) e Terremotos (no México, o maior dos últimos 100 anos) os super furacões estão se formando e batendo contra o continente, sendo que é um atrás do outro, é um pior que o outro, o Harvey foi o mais poderoso furacão a atingir o Texas em 50 anos, provocou prejuízos da ordem de 180 bilhões, o maior prejuízo de toda a história dos EUA! Mas o IRMA é ainda maior e mais poderoso! E o seu raio de evento é de tamanho similar ao Texas (parecido com o tamanho de Minas Gerais). O Furacão Katia atingiu o México e ficou um bom tempo estacionado na costa do país, agravando mais os danos. E agora tá vindo o furacão JOSÉ, que poderá se igualar ou até mesmo superar o IRMA. E  a temporada de furacões no Atlântico Norte apenas começou... (IRMA, KATIA E JOSÉ).

Eu não sou supersticioso, nem muito menos religioso, mas salta aos olhos essa “coincidência”. E no caso esses fatos merecem um debate. O que é um eclipse? Nada demais... é apenas a conjunção da Lua com o Sol o que causa alguns minutos de escuridão (o dia vira noite numa pequena faixa do planeta) e é só... mas desde os tempos mais antigos (Babilônia, Egito antigo, Índia) esse evento banal sempre foi classificado como um mal sinal, tipo, como se os Deuses (ou o Deus) estivesse bravo, e por isso ele estava avisando que as coisas ficariam feias logo, logo. E por coincidência (ou não) de fato ocorriam alguns eventos catastróficos (de grandes proporções) que validavam essa crença supersticiosa (?).

O Sol Negro - Eclipse total do Sol nos EUA em 21 do 08 de 2017, avião passa bem no momento da escuridão máxima

Dá para entender a cabeça dos povos antigos perante tal fenômeno raro, o Sol que fornece a vida, energia, que permite que estejamos vivos, do nada sem motivo aparente, é “derrotado” pela Lua, que então fica escura, negra, preta como carvão (Sol Negro). A escuridão dura minutos apenas, mas era suficiente para causar pânico em pessoas e nos animais. Sim os animais ficam atemorizados... o que é bem curioso, pois eles também percebem quando vai haver um terremoto. E também ficam em pânico pouco antes de um maremoto. Aí fica a pergunta de alguns bilhões de dólares (de prejuízo), será que os eclipses por alguma razão ainda desconhecida trás de fato uma frequência baixa, uma maldição, ou coisa do tipo, que então desencadeia eventos catastróficos como esse que estamos verificando na América do Norte? Ou na verdade isso tem a ver com a força do pensamento coletivo de milhões e até bilhões de pessoas? Será que o pensamento pessimista coletivo de pessoas sentindo medo perante o fenômeno tão banal como o eclipse, causa uma onde negra de eventos agourentos?

Isso até poderia ser falado em se tratando de povos antigos e desprovidos de ciência. Mas hoje em dia quem se assusta com Eclipses? Na verdade, é justamente ao contrário, a maioria se diverte, comemora, aproveita para ter folga. Não faz sentido então, não é mesmo? Então houve o fenômeno do Sol Negro na América do Norte, e logo em seguida Super Furacões (ciclones) surgem para arrasar o sul do continente (Obs. pessoalmente eu considero como América do Norte o Caribe e México também, pois falar em América central só se for politicamente). Junto com isso também terremotos recordistas. O que tá acontecendo? Apenas coincidência? Nada demais? Ou de fato eclipses são portadores de maldições vindo de sei lá onde?

Rota do Sol Negro pelos EUA, a sombra da Lua percorreu todo o território do país. Depois disso Super Furacões e terremotos se abateram contra a América do Norte

Sol Negro, NASA transmitiu ao vivo o evento

Eclipse total do Sol no Brasil: (NasaEm 03 de Novembro de 1994 (eu tinha 14 anos) presenciei o primeiro eclipse solar (ou o mais forte) da minha vida. Época, aliás, sem internet, com apenas 1 TV em casa (sou de origem humilde) apesar dos 14 anos tinha mentalidade de criança, pois sem acesso a informação como temos hoje o amadurecimento demorava mais a acontecer. E posso dizer que ali, na altura da minha inocência intelectual, na hora de maior escuridão eu senti como se toda a atmosfera tivesse ficado “pesada”, senti um pouco de medo, e frio na barriga. Um sentimento “sublime” surgiu (claro que isso é difícil de descrever, mas quem pratica a meditação e alcança bons níveis de aprofundamento sabe do que estou falando). Mas aquilo de sentir calafrios como se o ambiente tivesse ficado “tenso” foi a coisa mais forte, o coração acelerou também.

Mas agora, já com 37 anos, medito sobre o assunto e me pergunto, todas essas sensações fortes por causa de um evento tão banal (luz do sol abstruída) foi apenas uma bobagem da minha parte, por ser tão ingênuo e ter pouco conhecimento sobre o assunto? Ou será que se tratou de uma percepção extra-sensorial? Meus familiares comentaram sobre esse evento ser “mal pressagio”? Não! A TV no jornalismo comentou isso? Também não! E na escola? Alguém falou coisa do tipo? Ali muito menos!

Então por que da percepção de algo “ruim” na hora mais escura do eclipse? Forças negras de alguma forma aproveitam esse evento banal para canalizar negatividade para a Terra a partir da Lua? Essa era a crença dos antigos, mas caiu no escarnio depois da revolução cientifica. Mas talvez seja algo a se considerar. Fica o tema para meditação. (Obs. Eu estava em SP capital durante o Eclipse total do Sol, mas o clímax foi (e sempre é) no sul do País, principalmente no Estado de Santa Catarina).

Rota do Sol Negro no Brasil passa pelo Estado de Santa Catarina

Fragmentos de Reportagens:

- Eclipse solar mais longo do século inspira maus presságios: Tanto na Índia como na China, lendas e mitologias associam a este fenómeno astronómico maus presságios. Em caso de eclipse, alguns hindus (80 por cento dos 1,17 mil milhões de indianos) acreditam que os demónios Rahu e ketu "engolem" o Sol, tornando os alimentos e a água impróprios para consumo. Na China imperial, os eclipses eram anunciadores de catástrofes naturais ou da morte do imperador e essas crenças e superstições não desapareceram. "A probabilidade de que ocorram violências ou uma guerra por ocasião de um eclipse total é de 95 por cento", segundo o site chinês na Internet Baidu.com

- Crendices tornam eclipse um sinal de mau presságio: Enquanto os astrônomos equipados com sofisticados materiais se preparam para observar hoje o primeiro eclipse solar do novo milênio com a maior definição científica possível, os zimbabuanos mais supersticiosos temem que o mesmo seja um presságio de guerras, epidemias e fome. O fenômeno será visível na África austral e no Oceano Índico. Segundo crenças tradicionais africanas e europeias, um eclipse pode ser uma advertência do desencadeamento de desgraças: morte de dirigentes, guerra, seca, inundações ou enfermidades.

‘‘O eclipse do sol não é uma bênção para nós. Quer dizer que haverá problemas, derramamento de sangue e epidemias’’, declarou Peter Sibanda, porta-voz da Associação Nacional de Curandeiros do Zimbábue (Zinatha), para a France Presse. ‘‘Na África acreditamos que se Deus está aborrecido com os homens, isso é manifestado através do Sol ou da Lua’’, acrescentou. Aeneas Chigwedere, historiador e vice-ministro de Cultura, explicou que os astros tinham grande importância para as populações da África austral antes da colonização. As populações do Leste se identificavam com o Sol e as do oeste com a Lua. Todo eclipse – solar ou lunar – significava para eles ‘‘algo negativo’’, explicou. Para contra-atacar esses efeitos malignos, é preciso realizar cerimônias rituais dedicadas aos antepassados. Os paranaenses poderão assistir a parte do eclipse na manhã de hoje, entre as 7h01 e 8h35. O melhor ponto para visualizá-lo será no Litoral do Estado, porque o sol nasce em cima do mar, sem obstáculo para observação. (Fonte: France Presse De Harare).

- Como o eclipse deixou de ser mau presságio e se tornou momento de celebração: A revista Economist analisa de que forma a humanidade e sociedade foram mudando a forma de encarar um eclipse. No passado, o fenômeno era claramente associado ao terror. "Vinte e seis séculos atrás, os povos de Lídia e de Medes estavam ocupados lutando uns contra os outros - no território que hoje pertence à Turquia - até que um eclipse escureceu o céu. Os dois exércitos jogaram suas armas e acabaram com a briga. Como se fosse um sinal ou algo estivesse por vir", conta o artigo. Culturas antigas costumeiramente "culpavam" lobos, cachorros e dragões por tentar "comer" o sol. As pessoas carregavam potes e panelas com elas ou arremessavam flechas com fogo em direção à "esfera escura", tentando espantar os "demônios" que estavam causando aquela escuridão toda. Os eclipses eram presságios, auspícios ocasionalmente, mas sempre vistos com grande importância.  Em 1133, um eclipse marcou a morte do rei Henrique I da Inglaterra. A história virou lenda, principalmente porque o historiador medieval Guilherme de Malmesbury definiu a coincidência de eventos - a morte com o eclipse - como "a manifestação da tristeza que acometeu o local após a partida de um grande homem". Após a sua morte, uma luta pelo trono lançou o reino ao caos e à guerra civil.

Toda essa atmosfera de tristeza, mau presságio e augúrio associada a um eclipse não é a interpretação que domina atualmente. "O eclipse de hoje, por exemplo, parece mais uma desculpa para uma celebração e soa como um tributo à astronomia amadora", analisa a Economist. O misto de exotismo, previsibilidade e raridade que cerca os eclipses atraem milhares de "devotos" que vão ao encontro deles - onde quer que estejam. A Economist conta o caso de Francisco Diego, do University College, em Londres, que já observou 20 eclipses - a partir de lugares como a Ilha de Páscoa - um dos locais mais isolados da Terra - até a costa sul de Cornwall, que é provavelmente o local mais isolado da Inglaterra. Ele é um astrônomo, mas a maioria dos caçadores de eclipse são amadores. Uma grande parte do apelo, diz o Diego, é o drama que envolve o evento em si. "No momento em que o sol está em torno de 70/80% obscurecido, você começa a notar que está ficando escuro". Ele diz também que o evento ainda assusta muitas pessoas. "Mesmo que você saiba exatamente o que esperar, a experiência pode ser assustadora, pois a sombra se move em toda a superfície da Terra a vários mil quilômetros por hora. As pessoas não podem evitar, elas começam a gritar e gritar, os animais ficam tão confusos", diz. Site da NASA especialmente sobre o Eclipse do ano de 2017.

Depois do Sol Negro na América do Norte, o continente coincidentemente está sendo alvo de Super Furacões e Terremotos muito violentos...

Sol Negro nos EUA - 21 de Agosto de 2017 - Eclipse total do Sol - Estados Unidos - NASA:

O Super Furacão IRMA chega na Flórida - Full HD - Fantástico da Rede Globo - Maior da História:

Imagens - o Sol Negro de 2017 - Os Super Furacões e o Super Terremotos:



Mais Três Furacões Ativos no Atlântico Norte em (18 do 09 de 2017):



Bruno Guerreiro de Moraes, apenas alguém que faz um esforço extraordinariamente obstinado para pensar com clareza...

Veja a apresentação Oficial da Apple: https://www.apple.com/apple-events/september-2017/

Tags: Curiosidade,Logo Depois,Evento do, Sol Negro,América do Norte, América, EUA, Super Furacões,Terremotos,abatem, sob o Continente, Norte Americano, frequência, ciclones, aquecimento, global, aumento na temperatura, atmosfera, Rede Globo, Globo, 

6 comentários:

Felipe Dorn Alves disse...

O eclipse é pouco.
O MAIOR problema são os ventos ou erupções solares.
https://br.sputniknews.com/ciencia_tecnologia/201709099311671-sol-clarao-terra-aurora-polos-campo-magnetico/

Anônimo disse...

Pura superstição, meu caro pesquisador do insólito !

Antigamente, as massas estúpidas e ignorantes daquela época também acreditavam que os cometas eram mensageiros de maus augúrios !
O que ocorre é que eventos astronômicos, devido à sua dimensão, singularidade (no sentido de subverter a ordem a que estamos acostumados no cotidiano) e relativa pouca frequência têm um forte impacto psicológico. Isso é fácil de constatar comparando o que acontece quando surge uma tempestade com muitos trovões. Neste caso, um evento CLIMÁTICO causa também muito medo e terror. É um medo oriundo do desconhecido, daquilo que "possa" nos ocorrer dado à dimensão do fenômeno, que subverte a ordem a qual estamos acostumados e que consideramos confortável.
Agora, imagine que alguém bata em sua porta neste exato momento. O efeito neste caso pode não ser exatamente o mesmo dos eventos que estamos considerando, porém o fator psicológico envolvido tem o mesmo mecanismo que dispara reações de ordem psicológica. A reação no exemplo da batida na porta envolve algo do tipo: "Ué! Quem será?"

Quanto a correlação que um eclipse possa ter com a formação de fenômenos meteorológicos ou mesmo a ocorrência de terremotos devemos saber que quase nada disto pode afetar eventos complexos como a formação dos furacões, ainda mais se considerarmos que o eclipse foi algo de muito curta duração. Assim, a título de ilustração, recordemos que em Júpiter, por exemplo, há uma tempestade (fenôneno climático) que já dura séculos (a famosa "mancha" de Júpiter) e que independe completamente daquilo que acontece com o Sol.
Quanto a possibilidade de uma eventual influência que o eclipse possa ter tido com os terremotos, essa probabilidade envolveria o jogo de forças gravitacionais que o alinhamento necessário para provocar aquele eclipse acabou desencadeando na Terra - mais especificamente naquela região mais suscetível à tal influência gravitacional e cuja conformação geológica possibilitaria desencadear um abalo sísmico daquela magnitude.

Perdoem-me mas tomarei um chá agora pois precisarei cuidar de certas questões financeiras. James, o chá por favor !!!

Anônimo disse...

James está demorando a trazer meu chá. Portanto, para concluir: os europeus mais espertos e sagazes, que conseguiam prever eclipses mediante cálculos astronômicos já naquela época, se aproveitavam disso para infligir temor e respeito por parte de povos com os quais entravam em contato. A História traz exemplos pitorescos disso quando relata expedições européias nos impérios que existiam na América Central e, se não me engano, até mesmo na China.

Opa! Foi só falar na China que James já trouxe o meu chá!

Anônimo disse...

Boa tarde Bruno, excelente artigo. Quero deixar uma observação do Site Liberdade Mental para abrir o debate.

"O Calendário Gregoriano é usado para nos “regrar” a vida e assim manipulamos o tempo de forma artificial. Nosso planeta na realidade, é regulado por Ciclos Lunares: Cada ano tem 13 Ciclos lunares. Essa é a sequência “temporal” que nos regula de forma natural. O ciclo menstrual está “ligado” ao movimento lunar. Porém, nós ignoramos por completo tudo isso. Estamos sempre em sintonia com o relógio em nossos pulsos e esquecemos completamente dos Ciclos Planetários. É por isso que os povos antigos estavam sempre sincronizados com a Natureza. Eles respeitavam esses Ciclos e “VIAM” coisas que não entendemos."

Liberdade Mental
Link: http://rmorais76.blogspot.com.br/2010/07/vibracionando-parte-2.html

David Blaine disse...

Boa tarde Bruno, devido a esse tema que você postou, me despertou uma curiosidade sobre outro tema o qual está sendo propagado rapidamente devido à essa eclipse solar e causando grande polêmica que é sobre a teoria da Terra Plana que pareceu-me bem convincente, queria saber sobre a sua opinião com as suas experiências quanto a esse assunto ou até mesmo abordasse esse tema no seu blog. Agradeço desde já sua atenção.

Anônimo disse...

No próximo dia 21 de agosto irá ocorrer aquilo que a Nasa chama de eclipse solar total. Solar porque o Sol será escondido pela Lua por quase três minutos e total porque o Sol é totalmente coberto pela Lua.

Este é o primeiro neste século a cruzar totalmente os Estados Unidos, da costa leste à costa oeste, e poderá ser visto por toda extensão do país. No Brasil, o veremos de forma apenas parcial no Norte e Nordeste do país.

A Nasa ainda informa os efeitos do eclipse - bem mais curiosos do que a escuridão parcial do céu.
Efeitos do eclipse solar total
Força gravitacional tão forte que elevará crosta terrestre

Nosso planeta é permanentemente influenciado pelas forças gravitacionais do Sol e da Lua, inclusive é o que determina as marés. Quando ocorre um eclipse solar, o Sol, a Lua e a Terra estão alinhados nesta ordem e, portanto, toda a força gravitacional desses astros puxa o planeta na mesma direção.

Durante o eclipse do dia 21 de agosto, a força gravitacional do Sol e da Lua sobre a Terra será tão forte que a Nasa calculou um fenômeno raro: até a crosta terrestre irá “inchar”. Ao longo de uma área de mais ou menos 1 mil quilômetros, a superfície da Terra irá se elevar 4 centímetros - é imperceptível, mas ainda assim, impressionante.

Menos 500 gramas de peso

Um eclipse desta magnitude é a dieta mais eficiente que você vai conhecer. Em menos de três minutos, uma pessoa de aproximadamente 80 quilos perde quase 500 gramas - 482 gramas, para ser mais preciso. O efeito é o mesmo que faz a Terra “inchar” 4 centímetros.

O eclipse em si é potencializado porque a fase da Lua é a Lua Nova, a de maior força gravitacional - todo mês, durante esta fase, ficamos um pouquinho mais leve.

Durante os 2 minutos e 40 segundos do eclipse, a influência do Sol e da Lua fazem uma força “anti-gravidade” que se contrapõe à força produzida pelo centro da Terra. Assim, a “pressão” do nosso corpo sobre o chão diminui e ficamos mais leves.


Fonte: Luiz Felipe Silva / Vix.

GoogleAnalytics

O que Está Acontecendo?

- “Lamento, eu lamento muito... mas a maior revelação que o ‘Salto’ trás não é consolador, mas sim perturbador. O Mundo em que estamos é um campo de concentração para extermino de uma Super Potencia do Universo Local”. (Bruno Guerreiro de Moraes)