quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Combustão Espontânea Humana - Mistério Fantástico - Paranormal - Sobrenatural - Kundalini

Você Sabe o que é “O Salto Quântico Genético”? [Clique Aqui]

A combustão espontânea, ou ainda como é conhecido nos meios parapsicológicos ‘CHE’ (Combustão Humana Espontânea), acontece quando pessoas são consumidas em questões de segundos por uma espécie de fogo sobrenatural que parece ter vindo do nada. A Medicina já se deparou em diversas partes do mundo com tal fenômeno, porém a ciência primitiva que ainda temos na Terra não tem qualquer explicação para o fato, o fogo consome até os ossos e dentes da vitima, mas muitas vezes não queima nem a cama onde a pessoa está deitada...

Vídeo sobre o Assunto:
Combustão Espontânea Humana - Mistério... por SeteAntigos7

Discovery Channel - Combustão Espontânea Humana:


Combustão Espontânea Humana - Sobrenatural - Mistério Fantástico:

Vários casos fatais, desde tempos imemoriais
Tal tipo de fenômeno parece varrer toda a face da Terra, pois em 27 de dezembro de 1958, e no mesmo dia, ocorreram três casos idênticos em diferentes países do mundo. Um deles em pleno navio Ulrich que singrava a costa da Irlanda, quando o timoneiro virou um montículo de cinzas, sem que nada tenha sido queimado ao seu redor. Na Inglaterra um caminhão desgovernado caiu em uma ribanceira, justamente pelo fato de o seu motorista, George Turner, ter sido totalmente consumido, sem que houvesse quaisquer espécies de vestígios de incêndio na cabine do pesado veículo. E no terceiro caso, dessa vez na Holanda, um motorista de um Volkswagen, Willaim Bruick, foi encontrado totalmente incinerado no interior do veículo, também sem quaisquer indícios de fogo ao redor do corpo. Para muitos de nós, estes estranhos incêndios, conhecidos como Combustão Espontânea Humana, ficam relegados mais facilmente a folclore ou lenda urbana, mas as pessoas as quais aconteceu esse estranho acontecimento não são vítimas anônimas das manchetes de um jornal, são verdadeiras! Helen Conray, de Darby, Pensilvânia, George Mott, de Crow Point, Nova York, e Jack Angel de Savannah, Geórgia, estão entre as muitas vítimas insuspeitas. Para examinar este fenômeno, é necessário realizar perguntas genuínas e difíceis:
1] Como é possível que uma chama consuma um corpo humano e não incendeie um quarto inteiro ou ao menos incendeie objetos combustíveis a alguns centímetros?
2] Se não existem evidências da fonte das chamas de onde vem o intenso calor?
Hoje, os cientistas forenses e investigares de incêndios ainda não conseguem explicar os casos de combustão espontânea humana. Mas centenas de casos foram investigados e se escreveu sobre eles vastamente nos últimos 4 Séculos...
Vejam Algumas Fotos de Fatos Reais:
Essa foto acima eu não sei a fonte, mas é muito clara, por isso está sendo exibida aqui


Acima restos do Dr. J. Irving Bentley encontrado em dezembro de 1966

Acima restos de Helen Conway, da Pennsylvania


Os restos da Condessa Cornelia Bandi, morta em março de 1980
No século passado, o Dicionário de Medicina Popular e das Ciências Acessórias do Dr. Pedro Luiz Napoleão Chernoviz, publicado em Paris, em 1878, já na 5ª edição, em livro muito utilizado pela classe médica da época, já registrava inúmeros episódios de combustão humana espontânea. Entretanto nas sucessivas edições do famoso dicionário, o verbete sobre esta estranha doença foi retirado, isso por que a ciência primitiva não sendo capaz de explicá-lo preferiu se calar. Os Egos inflados da classe cientifica não pode suportar a humilhação de ver suas “leis” e dogmas baseados no materialismo/reducionismo ser contestado por um fenômeno não explicável. Citamos abaixo o texto integral da página 647 do Dicionário Chernoviz:

- “Certo número de fatos bem observados provam de maneira inquestionável que algumas pessoas têm sido destruídas pelo efeito de um fogo, cuja natureza e origem não estão ainda bem determinadas. Estas pessoas viram declarar-se a combustão de seus próprios corpos pela vizinhança de uma substância acesa, ordinariamente pouco ativa, uma vela, um candeeiro, um cachimbo, etc. Ardia o corpo humano em uma chama azulada, que a água, em vez de apagar, aumentava mais. Depois da combustão ficaram alguns lugares em parte queimados e torrados, os outros foram inteiramente consumidos, reduzidos a cinzas, não deixando outro resíduo senão uma matéria gordurosa, fétida, e uma fuligem de cheiro penetrante. Enquanto o corpo ardia, os objetos que o cercavam eram apenas prejudicados, e até em alguns casos não se consumia a roupa. Estes fatos são tão extraordinários, que por muito tempo não se lhes deu crédito, e eram considerados como ‘histórias inventadas’. Hoje já não se duvida deles, porque existem casos observados por pessoas dignas de confiança.

Alguns casos Documentados:


Condessa Cornelia Bandi:

A Condessa Cornelia Bandi, 62 anos, morava perto de Verona [Itália], em Abril de 1731. Parece que a condessa tinha ido para a cama depois do jantar e adormeceu depois de várias horas conversando com sua empregada. De manhã, a empregada entrou para acordá-la e presenciou uma cena horrível. O quarto estava coberto de fuligem no chão um líquido amarelo estranho, era gorduroso e fedia muito. A cama estava intacta, exceto as cobertas que estavam amassadas, indicando que a Condessa tinha acordado durante a noite. A cinco metros da cama estava uma pilha de cinzas, duas pernas intactas dentro das meias, junto estava também parte do cérebro, a metade da parte de trás da cabeça, queixo, e três dedos da mão enegrecidos. Todo o resto era cinza, os dedos de sua mão incinerada estavam úmidos com uma gordurosa mal cheirosa. Esse é o primeiro caso documentado do que hoje chamamos de ‘CHE’ [combustão espontânea humana]. Apesar dos casos existentes serem muito bem documentados com testemunhas confiáveis, esse não é um fenômeno aceito pelos ateus/materialistas da comunidade científica, pois como dito acima, eles não tem uma explicação reducionista para o fenômeno, no entanto sabemos que ele é real.




Jeannie Saffin:

A morte de Jeannie Saffin é apontada por muitos como prova incontestável do fenômeno da combustão espontânea. É um caso fantástico onde a vítima pegou fogo sem razões aparentes em frente a varias testemunhas. Às 4 da tarde de uma quarta feira de setembro em 1982, Jeannie Saffin, que tinha 61 anos, mas a idade mental de uma criança de 6, estava sentada na cozinha de sua casa quando repentinamente foi tomada por chamas. Seu pai de 82 anos, que estava sentado na mesa próxima, disse que viu um clarão pelo canto dos olhos e quando se virou viu a filha coberta por chamas, principalmente na boca e mãos. Segundo o senhor Saffin, Jeannie não emitiu nenhum ruído. Ficou parada enquanto era consumida pelas chamas. Enquanto o senhor Saffin tentava apagar as chamas com água seu enteado Donald entrou na cozinha e viu Jeannie sentada “soltando fogo pela boca como se fosse um dragão”.

Os dois finalmente conseguiram conter as chamas e chamar a emergência. De acordo com os paramédicos a cozinha estranhamente não apresentava marcas de chamas ou fumaça. Suas roupas também sofreram poucas queimaduras. Jeannie entrou em coma no hospital e morreu 8 dias depois. Os policiais que investigaram a morte da mulher não puderam encontrar uma causa para sua combustão. A única teoria capaz de explicar o caso até hoje é a de que Jeannie queimou de dentro pra fora sem causa ou razão aparente [segundo a ciência materialista].

Dr. J. Irving Bentley:

Em dezembro de 1966, o corpo do Dr. J. Irving Bentley, de 92 anos, foi descoberto na Pensilvânia. Na realidade, apenas foram achados parte da perna dele e um pé, ainda com o chinelo. 
O restante do seu corpo tinha se transformado em cinzas. A única evidência do fogo que causara sua morte era um buraco que havia no piso do banheiro: o resto da casa estava intacto e não sofrera nada. Como se explica que um homem pegou fogo – sem nenhuma origem aparente de faísca ou chama – queimando completamente o próprio corpo, sem espalhar as chamas para nenhum objeto próximo? Embora ele e outras centenas de vítimas do fenômeno tenham sofrido combustão quase total, as redondezas de onde se encontravam, ou as próprias roupas, muitas vezes não sofreram dano algum.



Eveille Leon:

Eveille Leon , 40 anos, foi encontrado completamente queimado no interior de seu carro fechado em Arcis-sur-Aube (França) em 17 de junho de 1971. O calor tinha derretido as janelas do carro! Estima-se que um carro ao queimar gera uma temperatura de 700 º C, mas para derreter o vidro, a temperatura tem de ser superior a 1000 ° C. O CHE é caracterizada pelo extremo calor gerado, de modo que podemos distinguir o fenômeno do poder de fogo normal. É muito difícil reduzir uma pessoa completamente a cinzas, pois é necessário muito combustível para manter a chama acesa durante horas sem parar. De fato é sabido que um cadáver mantido 8 horas em um crematório há 1100 ° C, ainda deixa os ossos, sem sinais de degradação grave, só a carne é reduzida a pó. Sempre e em todos os casos, as cinzas resultantes são cinza, enquanto no CHE são completamente brancos, o que mostra que as temperaturas são muito mais elevadas, alguns dos cerca de 2500 ° C, que é bastante quente quando consideramos que incêndios que destroem edifícios raramente ultrapassam os 250 º C.

Phyllis Newcombe:

Em 1938, uma mulher de 22 anos chamada Phyllis Newcombe estava saindo de um baile no Salão do Condado em Chelmsford, Inglaterra, quando ela descia a escada do salão pegou fogo sem causa aparente. Ela voltou correndo para o salão, onde desmaiou. Várias pessoas correram em seu auxílio, mas ela morreu mais tarde no hospital. Embora a teoria era de que o vestido de Newcombe tinha sido incendiado por um cigarro ou um fósforo aceso jogado na escada, não se encontrou qualquer evidência disso. O Coronel LF Beccles comentou sobre o incidente - “De toda a minha experiência eu nunca encontrei um caso tão misterioso como este” - 




Mary Reeser:

Em 1951, uma viúva de 67 anos chamada Mary Reeser estava em casa em St. Petersburg, na Flórida, na manhã de 02 de julho, um vizinho descobriu que a porta da frente de Maria estava quente. Quando ele entrou no apartamento com a ajuda de dois operários, eles encontraram Maria, em uma poltrona com um círculo preto em volta dela. A cabeça dela tinha sido queimada até o tamanho de uma xícara de chá [ficou carbonizada até ficar do tamanho de uma xícara de chá]. O restante das partes dela eram apenas sua espinha dorsal e um pedaço de seu pé esquerdo. Não houve qualquer evidência de fogo em seu apartamento. Um patologista forense, Dr. Wilton Krogman, disse o seguinte do incidente - “É a coisa mais incrível que eu já vi. Só de rever o caso os cabelos no meu pescoço se eriçam, sinto um medo estranho. Se eu vivesse na Idade Média diria que é algo a ver com magia negra” - .

Mary Hardy Reeser:

O caso mais conhecido de SHC ocorreu no dia 1 de julho de 1951 com Mary Hardy Reeser, de sessenta e sete anos. Os vizinhos sentiram um cheiro fétido extremamente forte do apartamento em que ela vivia. O ar do ambiente era muito quente. Os policiais declararam que existia um círculo de 120 centímetros de diâmetro, onde se encontravam uma quantidade de molas de um assento e um resto de corpo. O chefe de polícia declarou - “Até onde podem ir as explicações ‘lógicas’, ai está uma das coisas que simplesmente não pode acontecer, mas aconteceu...”


Ginette Kazmierczak:

Uruffe, Lorrain pequena cidade perto de Toul. Ginette Kazmierczak [uma mulher] leva uma vida solitária, discreta e bastante apegada na sua habitação, de acordo com o seu filho, o professor da aldeia. Na noite de 12 de Maio de 1977, ela estava sozinha no apartamento, porque seu filho estava fora. Cerca de 03:00 da madrugada, seu vizinho mais próximo foi acordado pois seu quarto é simplesmente fumaça. Ele sai e vê as pequenas chamas devoram a parte inferior da porta da Sra. Kazmierczak. Ele alerta os bombeiros que chegaram muito rapidamente, e viram um espetáculo de horror. O corpo da Sra. charred Kazmierczak deitado no chão contra a porta, mas as pernas e braço direito estão intactos, enquanto a cabeça, tronco e abdômen são mais do que cinzas. Foi uma enorme temperatura (2000 ° C) para alcançar este resultado macabro. Curiosamente, apenas o piso abaixo do busto da vítima revelaram vestígios de fogo. As paredes e o piso estavam manchadas de fuligem, mas nada mais foi queimado no apartamento. O óleo do fogão e aquecedores estão desligados. Uma caixa de fósforos está intacta sobre a janela. A eletricidade está funcionando corretamente. Crime, suicídio? Estas teorias são descartadas. A acusação de Nancy abriu um inquérito e encarregou o capitão Laurain especializado no assunto.

O último exclui todos os pressupostos: a explosão de um aerossol ou gás (mas os gravetos de mobiliário teria sido total), o crime (mas a porta do apartamento estava trancada por dentro), raios (o tempo bom invalida esta possibilidade). O perito deve admitir que este é um caso de combustão espontânea. Assim, em 18 de Janeiro de 1978, o procurador Nancy emitiu uma ordem de demissão para este caso [ele abandou o caso].



Henry Thomas:

Esse caso foi o que fez o detetive John Heyman, o agente do Departamento de Investigação Criminal da Inglaterra, a se tornar um dos melhores investigadores da CHE no mundo. Ele foi designado no início de janeiro de 1980 a investigar um caso em Gwent (Reino Unido). Quando entrou no quarto da casa a primeira coisa que chamou sua atenção foi o calor abafado e a umidade remanescente na sala. Ao entrar mais viu um tom laranja de luz que iluminava os restos mortais de Henry Thomas de 73 anos. No tapete estava uma pilha de cinzas branca no centro, em uma ponta havia um par de pés vestidos com meias, e em outro um resto enegrecido de um crânio. A luz laranja era provocada pelas cinzas do falecido misturada no ar com a luz da manhã, era uma fina camada de carne vaporizado e condensado que cobria tudo no quarto. O que realmente foi estranho é que a sala não tinha sinais de fogo, apenas uma parte da cadeira em que sentou a vítima e o tapete sob o qual estavam os restos mortais, que só foi chamuscado superficialmente. Mas como pode queimar o corpo de uma pessoa que contém 45 litros de água? Se Thomas foi reduzido a cinzas por uma alta temperatura muito alta, por que não queimou outros objetos inflamáveis, tais como o tapete ou o sofá? Esse fato real convenceu John Heyman, que passou a ser um especialista na área.

Mendigo Bailey em Londres:

Outro caso marcante foi o que o bombeiro de Londres, Jack Stancey atendeu, foi chamado a ver o que acontecia num prédio abandonado. A casa não tinha sinais de danos causados pelo fogo, mas quando Stacey olhou para dentro, encontrou o corpo queima de um mendigo que era conhecido como Bailey. Ele tinha uma fenda de cerca de quatro centímetros no abdômen e as chamas saiam para fora com muita força, como uma tocha. Para apagar esta chama violenta Stacey usou a mangueira de jato no corpo do mendigo. Não há dúvida de que o fogo começou dentro do corpo. A vítima estava com os dentes afundados numa escada de madeira próxima e precisou de um pé de cabra para abrir suas mandíbulas. Os bombeiros não conseguiram explicar a real causa do incêndio. O edifício não tinha gás ou eletricidade, e não encontraram correspondências. Mesmo se considerar que o sem-teto deixou cair um cigarro aceso em cima de si não explica que este pode ter sido suficiente para produzir uma chama tão destrutiva.



Jack Angel:

Em 1974, Georgia, Estados Unidos , Angel foi dormir e acordou quatro dias depois com uma terrível queimadura, foi necessário amputar seu antebraço direito. Os pijamas e os lençóis estavam intactos e ele não sentiu nenhuma dor por várias horas depois de recobrar a consciência. Anjo não conseguia se lembrar de como a lesão foi causada, nem mesmo usando de regressão hipnótica.

Bombeiro dos EUA:

[Obs. Nesse caso não tenho o nome dele, vários sites contam sobre ele, porém nenhum diz o nome do bombeiro, a fonte parece ser o documentário da Discovery indicado acima, mas esse acima é um trecho apenas, não o DOC inteiro]. Um bombeiro dos EUA voltou para a casa para dormir, e não voltou ao trabalho no outro dia. Quando os seus colegas foram até sua casa, já que ele não atendia ao telefone, descobriram apenas um monte de pó em cima da cama. E pasme, a cama NÃO estava queimada. O lençol tinha apenas uma mancha preta. Como isso seria possível invocando apenas explicações puramente naturais? Quando os bombeiros viram isso, imediatamente chamaram outros colegas, e o chefe dos bombeiros, quando deu a entrevista ao Discovery Channel apenas disse - “Como eu explico a morte dele? O que eu coloco como sendo a causa da morte? Queimadura de Terceiro Grau? O cara virou pó, isso não é queimadura!” - Detalhe… o bombeiro não fumava e não bebia. E nada nem remotamente parecido com isso havia sido encontrado perto do corpo ou sequer no quarto…

Casos Mais Antigos:


Ao longo dos últimos 300 anos, houve mais de 200 relatos de pessoas que queimaram por nenhuma razão aparente. A primeira combustão humana espontânea conhecida foi divulgada pelo anatomista dinamarquês Thomas Bartholin, em 1663, quando descreveu como uma mulher em Paris “foi reduzida a cinzas e fumaça” enquanto dormia. O colchão de palha onde ela estava deitada não foi danificado pelo fogo. Em 1673, um francês chamado Jonas Dupont, publicou uma coleção de casos de combustão espontânea na sua obra “De Incendiis Corporis Humani Spontaneis”. As centenas de casos de combustão espontânea ocorridas desde aquela época tiveram uma característica comum: a vítima sempre era consumida quase completamente pelas chamas, usualmente dentro da própria residência, e os médicos legistas presentes relatavam ter sentido cheiro de uma fumaça adocicada nos cômodos onde os eventos tinham ocorrido. A peculiaridade que os corpos carbonizados apresentavam era o fato das extremidades terem permanecido intactas. Ainda que o dorso e cabeça tivessem sido carbonizados de forma irreconhecível, as mãos, pés e/ou parte das pernas não tinham se queimado. Além disso, o cômodo onde o corpo fora encontrado mostrava pouco ou nenhum sinal de fogo, salvo por um pequeno resíduo que tivesse ficado na mobília ou nas paredes. Nem todas as vítimas de combustão humana espontânea eram simplesmente consumidas pelas chamas. Algumas desenvolviam estranhas queimaduras no corpo, embora não houvesse nenhuma razão para isso, ou emanavam fumaça sem que existisse fogo por perto. Nem todos os queimados sucumbiam: uma pequena porcentagem de pessoas que tinham passado pela combustão espontânea sobreviveu.

Bruno Guerreiro de Moraes, apenas alguém que faz um esforço extraordinariamente obstinado para pensar com clareza...

Tags: Combustão, Espontânea, Humana,Mistério, Fantástico,Paranormal,Sobrenatural,Kundalini, Combustão humana espontânea, fantástico, humana, mistério, paranormal, paranormalidade, sobrenatural, 

11 comentários:

Anônimo disse...

você já leu o livro de urantia?acha que é confiavel? qual é a sua opinião sobre ele?

Anônimo disse...

Essa combustão espontânea pode ser (talvez) gerada por uma falha quimica nas células, nosso corpo perde células por um processo paracido com frequência.

Quando um processo quimico vai ocorrer na célula e por alguma falha (que podem ser diversas) ele acaba decompondo o ATP ("adenosina trifosfato",é como uma "pilha" dentro da célula, serve para transportar energia) não só até se tornar ADP ("adenosina difosfato"), mas até AMP ("adenosina monfosfato"). Isso gera uma sobrecarca de energia muito grande e acaba rompendo várias ATP's na célula e gerando combustão na mesma. A energia da combustão dos ATP's explode a célula e possibilita diversas ligações quimicas com os componentes da mesma, isso faz com que o fogo não gere calor suficiente para queimar o que está ao seu redor (pois as novas ligações consomem a energia para se formarem), por isso o tal fogo não danifica o que está ao seu redor.

Resta saber se existe alguma situação que possa fazer com que essa reação se propague entre as células, fazendo o corpo todo entrar em combustão.

Percebi que tem muita curiosidade sobre o assunto, então esse ponto de vista quimico pode possibilitar uma explicação, pesquize a respeito.

Roder disse...

Interessante, talvez esta combustão surge com a elevação energética do sistema dos chakras humano possibilitando-o gerar uma combustão interna dentro de si mesmo. Vai saber não é mesmo? Parabens por mais este post.

Anônimo disse...

bruno, dei uma boa lida em seus blogs, vi que vc não adiciona pessoas no msn sem conhecer. mas quero te pedir uma exceção, vc pode me adicionar pra gente conversar? aguardarei sua resposta, obrigado desde já.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Anônimo, eu não tenho muito tempo para conversar no MSN, geralmente só converso com alguém se for um motivo muito importante.

Se for o caso, te adiciono sim, me mande um email:

seteantigos@gmail.com

Ai te passo o meu MSN

Abraço

Dinamarca disse...

ASasUHUSAHuASHUASuhas meu deus...

Lupus disse...

ja li um site que dizia teoricamente que a kundalini que provocava estas queimas. É assustador isto.

Occultae Veritatis disse...

Olá Bruno. Boa Tarde. Tenho acompanhado seu canal no You Tube, no qual sou escrito, e venho parabenizar-te pelas matérias de conteúdo muito interessantes que você tem postado tanto lá como na sua página. Tambémm sou apaixonado pelo desconhecido e tenho me aprofundado muito nesses assuntos. seus docs tem me ajudado muito a conhecer isso tudo.
A propósito, gostaria de saber sua opinião sobre os relatos de Howard Menger sobre sua afirmação na década de 50 de que seres extraterrestres retornariam em 2012. sabendo -se que nessa época nem se falava no Calendário Maia. Fake? coincidência? ou verdade? Por favor me de sua opinião. Obrigado.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Eu nem sabia que Howard Menger tinha existido (Risos), vi esse site: http://missaodomilenio.blogspot.com.br/2009/06/o-que-diz-howard-menger.html

E o que posso dizer? Apenas que temos que aguardar, já estamos em 2012 e portanto não teremos que esperar muito.

Não sei mais nada sobre Howard Menger, então não posso julga-lo. Abraço.

Adan Ribeiro disse...

O nome do bombeiro é George Mott.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Facebook: Antonio Jorge, O bom e velho Sete Antigos Heptá de volta, como nos velhos tempos !!! Excelente artigo.
Vamos tentar contribuir para a explicação desse insólito fenômeno :
A combustão envolvida neste tipo de fenômeno nada tem a ver com a combustão química convencional, onde se necessita de três fatores : o combustível, o comburente e o calor. Em tal fenômeno, o combustível é o próprio corpo e o principal comburente (o oxigênio) parece não desempenhar nenhum papel na dinâmica da combustão, de forma que não é possível falarmos em "combustão" propriamente dita, apesar dos inegáveis efeitos característicos. O fato é que este fenômeno se confunde com o processo da combustão convencional, mas ele possui peculiaridades próprias. E o fato de a "combustão" quase sempre ficar restrita ao corpo que "queima", e geralmente não afetar objetos ao redor ou se espalhar, evidencia muito bem isto.
Portanto, muito provavelmente não se trata de um processo de origem química nem bioquímica. Ou seja, o "fogo" ou a "chama" que consome o corpo não tem uma natureza química - posto que somente interage com o corpo e unicamente a ele fica restrita. Poderíamos assim considerar tratar-de de um fenômeno de natureza bioenergética.
Como o papel dos processos bioenergéticos são praticamente desconhecidos da Ciência, ficando restrito ao campo das especulações místicas e metafísicas, suas possibilidades reais ainda fogem ao alcance da compreensão racional. A Ciência, ainda profundamente materialista, acaba sendo pega de surpresa quando se depara com fenômenos que extrapolam a mera materialidade com a qual os postulados científicos tanto se prenderam - e que resultou na prisão da própria Ciência a estes postulados.

O amigo Bruno não gosta nem um pouco de mim. Mas eu não me importo e continuo apreciando as boas matérias do seu site - sempre repletas de informações interessantes, esclarecedoras e refrescantes. E isso é o que importa.

GoogleAnalytics

O que Está Acontecendo?

- “Lamento, eu lamento muito... mas a maior revelação que o ‘Salto’ trás não é consolador, mas sim perturbador. O Mundo em que estamos é um campo de concentração para extermino de uma Super Potencia do Universo Local”. [Bruno Guerreiro de Moraes]