sábado, 8 de maio de 2010

Os falsos Ocultistas - Ciências Ocultas

Costumou-se indicar inconsciência, ignorância e massificação às religiões dizendo que os freqüentadores e seguidores das mesmas aceitam tudo que lhes é dito sem questionar.


Sendo o ocultismo uma CIÊNCIA é de se esperar das pessoas que o pesquisam que usem do método científico, mas não é isso que vemos acontecer na maioria das vezes...


Entretanto, maior que o número de estrelas é a infinidade dos que apenas substituindo a religião e seus códigos por esoterismo, ocultismo e misticismo em geral aceitam tudo que lhes é dito sem ter o mínimo senso investigativo e crítico sendo como verdadeiros burros de carga.


É o “falou tá falado”, enquanto os religiosos seguem cegamente a bíblia e sua doutrina e tem como verdade absoluta apenas o que ali está estes (os dogmáticos das escolas de iniciação) seguem cegamente as monografias, ensinamentos escritos e doutrinas de suas ordens, escolas e etc.


Têm como verdade aquilo que leram e ouviram sem questionar e investigar por conta própria.

Enquanto uns deixam de acreditar ou acreditam em algo pelo que a bíblia fala outros acreditam e deixam de acreditar em algo pelo que seus ensinamentos dizem.


Se o pastor fala que reencarnação não existe o religioso acredita e diz que não existe.

Se uma escola esotérica fala que magia negra não existe e é apenas “sugestão” o cidadão acredita e diz que não existe.


A diferença não existe em sentido algum. Muda-se a forma mas o princípio é o mesmo.

Trata-se apenas de pessoas desamparadas emocional, intelectual e/ou espiritualmente buscando algo para acreditar.


Substituem os dogmas das religiões de Massa (Cristianismo, Islamismo, Hinduísmo) e adotam como dogmas intocáveis os escritos de ocultistas do passado, qual foi o progresso então?



O religioso é impedido da busca pelo medo da danação e estes “esotéricos” destas escolas se abstêm por sua própria ignorância e limitação.


Ao que não estigmatiza pessoas e não acha que alguém é alienado só por ser religioso e outro é consciente apenas por estar em uma ordem ou escola.


Bem sabe que existem religiosos extremamente curiosos e interessados cuja consciência clama pela Verdade mas que tem este desejo estagnado pelos dogmas institucionais.


Pessoas que se não fosse pelo medo pelo qual estão cativas seriam excelentes místicos e esotéricos.

Eles apenas não possuem as ferramentas mas a Vontade está latejando em suas veias.


Possuem o desejo da Verdade mesmo que não expressem isto em pensamentos e ações mas está dentro delas pronto para escapar a qualquer momento.


São curiosas, questionam, evocam e invocam a Verdade.

Do outro lado percebe-se pessoas que sendo membros de ordens esotéricas e escolas iniciáticas não possuem o mínimo grau de curiosidade e interesse.


De forma alguma “sentem” que há algo a mais, não possuem o desejo e a Vontade. Não possuem imaginação e curiosidade para ser saciada.


Mesmo sendo livres para tal, pois não estão sob a ameaça do “tridente do Diabo” atrás de si, mesmo assim não conseguem expressar o mínimo de vontade e interesse em verdadeiramente conhecer, ao contrário de muitos religiosos católicos, evangélicos e protestantes com os quais ao conversar percebe-se claramente que eles clamam por aquilo, mas que o receio do inferno lhes poda.


A CIÊNCIA do ocultismo está definhado, por que a grande maioria dos membros de círculos de estudo tem comportamento idêntico aos freqüentadores de igreja cristã


A situação então mostra-se contraditória na medida que há religiosos que seriam excelentes místicos enquanto outros que fazem parte destas agremiações [Maçonaria, Gnose, Rosa Cruz, Sociedade Teosófica, etc...] de forma alguma honram a dádiva que recebem de poder fazer parte do que fazem.


Para eles, a ordem ou escola é o fim, não um meio...


Eles não utilizam as ferramentas fornecidas para buscar uma verdade maior por si só, eles querem que lhes digam a verdade para acreditar, pois em sua limitação espiritual e intelectual é a única coisa que conseguem fazer, acreditar...


Sua “verdade” é o que lhe foi dito e o que leu. Estes “esotéricos” além de carecer de nível espiritual também demonstram apatia intelectual em termos de que não conseguem captar o próprio ensinamento esotérico e compreender que a linguagem falada e escrita possui limitações.


Os próprios escritos falam da impossibilidade de expressar muitas (e grandes) coisas através de palavras e eles continuam achando que a verdade só se encontra naquilo que os “mestres” de sua ordem e seus manuscritos lhes mostrarem.


Seguem o que lhe diz que os sentidos físicos limitam a percepção da verdade e mesmo assim sua “verdade” só existe pelo que vêem e ouvem.


Lêem sobre dimensões mas sua verdade é a tridimensional. Aprendem história e sabem que a “verdade” de cada época sempre foi a ditada pela ciência do período mas mesmo assim dizem que determinada coisa é impossível porque a ciência do momento diz que é.


Na analise de capacidade psíquicas, o metido científico pode ser seguido, e nisso ajuda muito, acreditar por acreditar é contra a ciência ocultista


A verdade para estas pessoas é única e exclusivamente o rol de “verdades e inverdades” que lhes foi entregue em seus ensinamentos.


A limitação espiritual do esotérico que não possui verdadeiro desejo e Vontade de buscar a Deus (como muitos religiosos em verdade possuem) e a limitação intelectual na medida em que não conseguem assimilar os próprios ensinamentos que lhes foram entregues e deveriam ter aprendido.


São como mulas que prostrando-se aceitam a verdade que lhes foi dada sem ousar querer comprovar.

Vivem pelo acreditar e não pelo comprovar.


Para estes só existe aquilo que lhes disseram que existe e não existe o que não lhes confirmaram que existe.

Ninguém escolhe querer Deus e ninguém escolhe querer a Verdade; isto vem por Vontade e desejo e brota em cada pessoa.


O desejo cria o pensamento e não o contrário. O pensamento é reação do desejo e estes pensamentos como ações irão dar origem à outras reações.


O esotérico, místico, ocultista, iniciado e o que for, mais do que ninguém deveria ter a mente aberta às possibilidades e não se fechar em “acredito/não acredito” o pensamento tendo como ação o desejo nascerá morto ao que não possuir esta Vontade.


Aquele que faz parte de uma ordem ou escola mas que não possui o desejo terá seus pensamento natimortos e infrutíferos em seu caminho na senda e nada poderá fazer além de servir de mula que carrega o que lhe é colocado como carga.


O verdadeiro desejo e Vontade é que irão mover cada um a buscar e quem busca não vai aceitar tudo que lhe enfiarem goela abaixo, sendo em uma igreja ou em uma escola esotérica.


A pessoa irá atrás, vai querer comprovar o que é dito.

Ela sabe que no reino não há perfeição para que possa aceitar tudo pronto e mastigado.


Que examine cada um a si mesmo para saber se possui este verdadeiro desejo e Vontade.


Se não tiver, sinto muito, mas não é um Ocultista autentico, e sim um pseudo-ocultista. Melhor que estivesse nas grossas fileiras dos crentes das religiões de Massa.


Só quem tem o verdadeiro desejo e Vontade pode se dizer real ocultista, os ocultistas são cientistas, e não apáticos crentes que acreditam por "Fé"


Bruno Guerreiro de Moraes, apenas alguém que faz um esforço extraordináriamente obstinado para pensar com clareza...

2 comentários:

Roder disse...

É isso aí, para ser um verdadeiro cientista ou procurador da verdade tem de crer na probabilidade dos fatos, logo, pesquisando a autenticidade dos mesmos e não considerar a veracidade ou falsidade destes através de crenças concebidas. Assim a investigação deixará de ser o que realmente deveria ser passando então a ser algo religioso sem comprovação técnica ou científica.

Felipe Dorn Alves disse...

Submeter tudo à prova. Isso é ciência.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

wibiya widget

O que Está Acontecendo?

- “Lamento, eu lamento muito... mas a maior revelação que o ‘Salto’ trás não é consolador, mas sim perturbador. O Mundo em que estamos é um campo de concentração para extermino de uma Super Potencia do Universo Local”. [Bruno Guerreiro de Moraes]