terça-feira, 2 de agosto de 2016

Jesus Cristo Nunca Existiu, ele é uma Fraude! Ficção! - Série de Artigos - Parte 02: Crestus, o Messias dos Essênios


Páginas Índice:  [Todos os Artigos Contra a Religião] - [Índice  Jesus Uma Fraude!] - [Índice: Os Segredos da Bíblia]

Maria Mãe de Jesus? [Clique Aqui]

Jesus deve a sua existência ficticiosa a Crestus, o Messias dos Essênios, Jesus foi criado a partir dessa figura obscura que pregava a partir de Alexandria no Egito

A resposta Cristã habitual para os que questionam a historicidade de Jesus é manusear vários documentos como “evidência histórica” para a existência de Jesus. Eles normalmente começam com os evangelhos canônicos, ou seja, O Evangelho segundo São Mateus, O Evangelho segundo São Marcos, O Evangelho segundo São Lucas e O Evangelho segundo São João. A afirmação habitual é a de que estes são “registros de testemunhas oculares sobre a vida de Jesus feitas pelos seus discípulos”. A resposta a este argumento pode ser resumida numa palavra: pseudepigráfico. Este termo refere-se a trabalhos de escrita cujos autores ocultam as suas verdadeiras identidades atrás de nomes de personagens lendários do passado. A escrita pseudepigráfica era particularmente popular entre os Judeus durante os períodos Asmoneu e Romano, e este estilo de escrita foi adotado pelos primeiros Cristãos.

Os evangelhos canônicos não são os únicos evangelhos. Por exemplo, há também evangelhos de Maria, Pedro, Tomé e Filipe. Estes quatro evangelhos são reconhecidos como sendo pseudepigráficos tanto por escolares Cristãos como não Cristãos. Eles providenciam uma informação histórica ilegítima dado que foram baseados em rumores e crenças. A existência destes óbvios evangelhos pseudepigráficos faz com que seja bastante racional suspeitar que os evangelhos canônicos (oficiais, segundo a Igreja Católica e Evangélicas) poderão também ser pseudepigráficos. O fato de que os primeiros Cristãos escreviam evangelhos pseudepigráficos sugere que isto era de fato a norma. Deste modo, é quando os missionários afirmam que os evangelhos canônicos não são pseudepigráficos, o que requer provas...

O Evangelho segundo São Marcos é escrito no nome de São Marcos, o discípulo do mítico São Pedro (São Pedro é majoritariamente baseado no deus pagão Petra, que era o porteiro do céu e da vida depois da morte na religião egípcia.) Até na mitologia Cristã São Marcos não era discípulo de Jesus, mas um amigo de São Paulo e São Lucas. O Evangelho segundo São Marcos foi escrito antes do Evangelho segundo São Mateus e do Evangelho segundo São Lucas (c. de 100 D.C.), mas depois da destruição do Templo em 70 D.C., que menciona. Muitos Cristãos acreditam que foi escrito em c. 75 D.C. Esta data não é baseada em História, mas na crença de que um histórico São Marcos escreveu o evangelho na sua velhice. Isto não é possível, dado que o estilo de linguagem usada em São Marcos mostra que foi escrita (provavelmente em Roma) por um Romano convertido ao Cristianismo, cuja primeira língua era Latim e não Grego, Hebreu ou Aramaico.

De fato, como todos os outros evangelhos são escritos em nome de personagens lendárias do passado, o Evangelho segundo São Marcos foi provavelmente escrito muito depois de algum Marcos histórico (se houve um) ter morrido. O conteúdo do Evangelho segundo São Marcos é uma coleção de mitos e lendas que foram colocados juntos de forma a formar uma narrativa contínua. Não há provas de que tenha sido baseado em qualquer fonte histórica de confiança. O Evangelho segundo São Marcos foi alterado e editado muitas vezes, e a versão moderna provavelmente data de cerca de 150 D.C. 

Clemente de Alexandria (c. de 150 D.C. – c. de 215 D.C.) queixou-se acerca das versões alternativas deste evangelho, que ainda circulavam no seu tempo (os Carpocratianos, uma primeira facção Cristã, considerava a pederastia como sendo uma virtude, (pederastia: homossexualismo) e Clemente queixou-se da sua versão do Evangelho segundo São Marcos, que contava as explorações homossexuais de Jesus com rapazes novos!).

O Evangelho segundo São Mateus certamente não foi escrito pelo apóstolo São Mateus. A personagem de São Mateus é baseada no personagem histórico chamada Mattai, que era um discípulo de Yeishu ben Pandeira (Yeishu, que viveu nos tempos Asmoneus, foi uma das várias pessoas históricas em quem a personagem de Jesus foi baseada). O Evangelho segundo São Mateus foi originalmente anônimo e só foi imputado o nome de São Mateus depois, durante a primeira metade do segundo século D.C. A forma primitiva foi provavelmente escrita mais ou menos ao mesmo tempo do Evangelho de São Lucas (c. de 100 D.C.), pois nenhum dos dois parece saber do outro. Foi alterado e editado até cerca de 150 D.C. Os primeiros dois capítulos, que tratam da virgem dando a luz, não estavam na versão original, e os Cristãos de Israel com descendência Judaica preferiram esta primeira versão. Para suas fontes, usou o Evangelho segundo São Marcos e uma coleção de ensinamentos referidos como a Segunda Fonte (ou o Documento Q.).

A segunda fonte não sobreviveu como um documento isolado, mas todos os seus conteúdos são encontrados no Evangelho segundo São Marcos e no Evangelho segundo São Lucas. Todos os ensinamentos aí contidos podem ser encontrados no Judaísmo. Os ensinamentos mais razoáveis podem ser encontrados no Judaísmo ortodoxo, enquanto que os menos razoáveis podem ser encontrados no Judaísmo sectário. Não há nada nele que requeira a nossa suposição da existência de um Jesus histórico real. Apesar do Evangelho segundo São Mateus e do Evangelho segundo São Lucas atribuírem os ensinamentos neles contidos a Jesus, a Epístola de São Tiago atribui-os a São Tiago. Como foi visto, o Evangelho segundo São Mateus não providencia nenhuma evidência histórica para Jesus.

O Evangelho de São Lucas e o livro dos Atos dos Apóstolos (que eram duas partes de um mesmo trabalho) foram escritos em nome do personagem mitológico Cristão de São Lucas, o médico (que provavelmente não foi um personagem histórico, mas uma adaptação Cristã do deus Grego da cura Lycos) Até na mitologia Cristã São Lucas não foi um discípulo de Jesus, mas um amigo de São Paulo. O Evangelho segundo São Lucas e os Atos dos Apóstolos usam o livro de Flávio Josefo, “Antiguidades Judaicas”, como referência, e assim não podiam ter sido escritos antes de 93 D.C. Nesta altura, qualquer amigo de São Paulo estaria ou morto ou bem senil.

De fato, tanto estudiosos Cristãos como não cristãos estão de acordo de que as primeiras versões dos dois livros foram escritas por um Cristão anônimo em 100 D.C., e foram alterados e editados até 150 – 175 D.C. Além do livro de Flávio Josefo, o Evangelho segundo São Lucas e os Atos dos Apóstolos também usam o Evangelho de São Marcos e a Segunda Fonte como referências. Apesar de Flávio Josefo ser considerado mais ou menos de confiança, o autor anônimo muitas vezes lê ou entende mal Flávio Josefo, e além disso nenhuma das informações acerca de Jesus no Evangelho segundo São Lucas e nos Atos dos Apóstolos vem de Flávio Josefo. Como se vê, o Evangelho segundo São Lucas e os Atos dos Apóstolos não têm valor histórico!

O Evangelho segundo São João foi escrito em nome do apóstolo São João, o irmão de São Tiago, filho de Zebedeu. O autor do Evangelho segundo São Lucas usou tantas fontes quantas pode obter, mas ele não tinha conhecimento do Evangelho segundo São João. Assim, o Evangelho segundo São João não podia ter sido escrito antes do Evangelho segundo São Lucas (100 D.C.)

Conseqüentemente, o Evangelho segundo São João não podia ter sido escrito pela semi-mítica personagem de São João, o apóstolo, que era suposto ter sido morto por Herodes Agripa pouco antes da sua própria morte em 44 D.C. (São João, o apóstolo, é aparentemente baseado num histórico discípulo do falso Messias, Theudas, que foi crucificado pelos Romanos em 44 D.C., e cujos discípulos foram assassinados).

Os pesquisadores que se dedicaram ao estudo das origens do cristianismo sabem que desde o segundo século de nossa era tem sido posta em dúvida a existência de Jesus Cristo. Muitos até mesmo entre os cristãos procuram provas históricas e materiais para fundamentar sua crença. Infelizmente, para eles e sua fé, tal fundamento jamais foi conseguido, e a história cientificamente elaborada denota que a existência de Jesus é real apenas nos escritos e testemunhas daqueles que tiveram interesse religioso e material em prová-la. Desse modo a existência, a vida e a obra de Jesus carecem de provas indiscutíveis.

Nem mesmo os Evangelhos constituem documento confiável. As bibliotecas e museus guardam escritos e documentos de autores que teriam sido contemporâneos de Jesus e que não fazem qualquer referência ao mesmo. Por outro lado, a ciência histórica tem se recusado a dar crédito aos documentos oferecidos pela Igreja, com intenção de provar a existência física desta figura. Ocorre que tais documentos, originariamente, não mencionavam sequer o nome de Jesus; todavia, foram falsificados, rasurados e adulterados visando suprir a ausência de documentação verdadeira. Por outro lado, muito do que foi escrito para provar a inexistência de Jesus Cristo foi destruído pela Igreja, defensivamente. Assim é que, por falta de documentos verdadeiros e indiscutíveis, a existência de Jesus tem sido posta em dúvida desde os primeiros séculos desta era, apesar de ter a Igreja tentado destruir a tudo e a todos os que ousaram contestar os seus pontos de vista, os seus dogmas.

Por tudo isso é que o Papa Pio XII, em 1955, falando para um Congresso Internacional de História em Roma, disse: “Para os cristãos, o problema da existência de Jesus Cristo concerne à fé, e não à história”. Emílio Bossi, em seu livro intitulado “Jesus Cristo Nunca Existiu”, compara Jesus Cristo a Sócrates, que igualmente nada deixou escrito. No entanto, faz ver que Sócrates só ensinou o que é natural e racional, ao passo que Jesus teria se preocupado apenas com o sobrenatural. Sócrates teve como discípulos pessoas naturais, de existência comprovada, cujos escritos, produção cultural e filosófica passaram à história como Platão, Xenófanes, Euclides, Esquino, Fédon. Enquanto isso, Jesus teria por discípulos alguns homens analfabetos como ele próprio teria sido, os quais apenas repetiriam os velhos conceitos e preconceitos talmúdicos.

Sócrates, que viveu 5 séculos antes de Cristo e nada escreveu, jamais teve sua existência posta em dúvida. Jesus Cristo, que teria vivido tanto tempo depois, mesmo nada tendo escrito, poderia apesar disso ter deixado provas de sua existência. Todavia, nada tem sido encontrado que mereça fé. Seus discípulos nada escreveram. Os historiadores não lhe fizeram qualquer alusão. Além disso, sabemos que, desde o Século II, os judeus ortodoxos e muitos homens cultos começaram a contestar a veracidade de existência de tal ser, sob qualquer aspecto, humano ou divino. Estavam, assim, os homens divididos em duas posições: a dos que, afirmando a realidade de sua existência, divindade e propósitos de salvação, perseguiam e matavam impiedosamente aos partidários da posição contrária, ou seja, àqueles cultos e audaciosos que tiveram a coragem de contestá-los.

O imenso poder do Vaticano tornou a libertação do homem da tutela religiosa difícil e lenta. O liberalismo que surgiu nos últimos séculos contribuiu para que homens cultos e desejosos de esclarecer a verdade tentassem, com bastante êxito, mostrar a mistificação que tem sido a base de todas as religiões, inclusive do cristianismo. Surgiram também alguns escritos elucidativos, que por sorte haviam escapado à caça e à queima em praça pública. Fatos e descobertas desta natureza contribuíram decisivamente para que o mundo de hoje tenha uma concepção científica e prática de tudo que o rodeia, bem como de si próprio, de sua vida, direitos e obrigações.

A sociedade atualmente pode estabelecer os seus padrões de vida e moral, e os seus membros podem observá-los e respeitá-los por si mesmos, pelo respeito ao próximo e não pelo temor que lhes incute a religião. Contudo, é lamentavelmente certo que muitos ainda se conservam subjugados pelo espírito de religiosidade, presos a tabus caducos e inaceitáveis. Jesus Cristo foi apenas uma entidade ideal, criada para fazer cumprir as escrituras, visando dar seqüência ao judaísmo em face da diáspora, destruição do templo e de Jerusalém. Teria sido um arranjo feito em defesa do judaísmo que então morria, surgindo uma nova crença. Ultimamente, têm-se evidenciado as adulterações e falsificações documentárias praticadas pela Igreja, com o intuito de provar a existência real de Cristo.

Modernos métodos como, por exemplo, o método comparativo de Hegel, a grafotécnica e muitos outros, denunciaram a má fé dos que implantaram o cristianismo sobre falsas bases com uma doutrina tomada por empréstimos de outros mais vivos e inteligentes do que eles, assim como denunciaram os meios fraudulentos de que se valeram para provar a existência do inexistente.

É de se supor que, após a fuga da Ásia Central, com o tempo os judeus foram abandonando o velho espírito semita, para irem-se adaptando às crenças religiosas dos diversos povos que já viviam na Ásia Menor (atual Turquia). Após haverem passado por longo período de cativeiro no Egito, e, posteriormente, por duas vezes na Babilônia, não estranhamos que tenham introduzido no seu judaísmo primitivo as bases das crenças dos povos com os quais conviveram. Sendo um dos povos mais atrasados de então, e na qualidade de cativos, por onde passaram, salvo exceções, sua convivência e ligações seria sempre com a gente inculta, primária e humilde. Assim é que, em vez de aprenderem ciências como astronomia, matemática, sua impressionante legislação, aprenderam as superstições do homem inculto e vulgar.

Quando cativos na Babilônia, os sacerdotes judeus que constituíram a nata do seu meio social, nas horas vagas, iriam copiando o folclore e tudo o que achassem de mais interessante em matéria de costumes e crenças religiosas, do que resultaria mais tarde compendiarem tudo em um só livro, o qual recebeu o nome de Talmud, o livro do saber, do conhecimento, da aprendizagem. Por uma série de circunstâncias, o judeu foi deixando, aos poucos, a atividade de pastor, agricultor e mesmo de artífice, passando a dedicar-se ao comércio. A atividade comercial do judeu teve início quando levados cativos para a Babilônia, por Nabucodonosor, e intensificou-se com o decorrer do tempo, e ainda mais com a perseguição que lhe moveria o próprio cristianismo, a partir do século IV.

Daí em diante, a preocupação principal do povo judeu foi extinguir de seu meio o analfabetismo, visando com isso o êxito de seus negócios. Deve-se a este fato ter sido o judeu o primeiro povo no meio do qual não haveria nenhum analfabeto. Assim, chegando a Roma e a Alexandria, encontrariam ali apenas a prática de uma religião de tradição oral, portanto, terreno propício para a introdução de novas superstições religiosas. Dessa conjuntura é que nasceu o cristianismo, o máximo de mistificação religiosa de que se mostrou capaz a mente humana. O judeu da diáspora conseguiu o seu objetivo. Com sua grande habilidade, em pouco tempo o cristianismo caiu no gosto popular, penetrando na casa do escravo e de seu senhor, invadindo inclusive os palácios imperiais. Crestus, o Messias dos essênios, pelo qual parece terem optado os judeus para a criação do cristianismo, daria origem ao nome de Cristo, cristão e cristianismo.

O Padre Aífred Loisy, diante do enorme descrédito que o mito do cristianismo vinha sofrendo nos meios cultos de Paris, resolveu pesquisar-lhe as origens, visando assim desfazer as objeções apresentadas de modo seguro e bem fundamentado. Buscava a verdade para mostrá−la aos demais. Entretanto, ao fazer seus estudos, o Padre Loisy constatou que realmente a crítica havia se baseado em fatos incontestáveis. Por uma questão de honra, não poderia ocultar o resultado de suas pesquisas, publicando−o logo em seguida. Sendo tal resultado contrário fundamentalmente aos cânones da Igreja, foi expulso de sua cátedra de Filosofia, na Universidade de Paris, e excomungado pelo Papa, em 1908.

O Pe. Loisy havia concluído que os documentos nos quais a Igreja firmara−se para organizar sua doutrina provieram do ritual essênio. Jesus Cristo não tivera vida física. Era apenas o reaproveitamento da lenda essênia do Crestus, o seu Messias. Verifico- se também que as Paulinianas, de origem insegura, haviam sido refundidas em vários pontos fundamentais e por diversas vezes, antes de serem incluídas definitivamente nos Evangelhos. Do mesmo modo chegou à conclusão de que os Evangelhos não poderiam servir de base para a história, nem para provar a vida de Jesus, dada a sua inautenticidade.

Por sorte sua, já não mais existia a Santa Inquisição; do contrário, o sábio Padre Loisy teria sido queimado vivo. Os documentos relativos ao governo de Pilatos, na Judéia, nada relatam a respeito de alguém que, se intitulando de Jesus Cristo, o Messias ou o enviado de Deus, tenha sido preso, condenado e crucificado com assentimento ou mesmo contra sua vontade, conforme narram os evangelhos. Não tomou conhecimento jamais de que um homem excepcional praticasse coisas maravilhosas e sobrenaturais, ressuscitando mortos e curando doentes ao simples toque de suas mãos, ou com uma palavra, apenas.

Se Pôncio Pilatos, cuja existência é real e historicamente provável, que estava no centro dos acontecimentos da época como governador da Judéia, ignorou completamente a existência tumultuada de Jesus, é que de fato ele não existiu. Alguém que, pelos atos que lhe são atribuídos, chega mesmo ao cúmulo de ser aclamado “Rei dos Judeus” por uma multidão exaltada, como ele o foi, não poderia passar despercebido pelo governador da região.

O imperador Tibério, inclusive, jamais soube de tais ocorrências na Judéia. Estranho que ninguém o informasse de que um povo, que estava sob o seu domínio, aclamava um novo rei. Ilógico. A ele, Tibério, é que caberia nomear um rei, governador ou procurador.

Prosper Alfaric, em L’Ecole de la Raison, assinala as invencíveis dificuldades do cristianismo em conciliar a fé com a razão. Por isso, a nova crença teve de apoderar - e das lendas e crenças dos deuses solares, tais como Osíris, Mitra, Ísis, Átis e Hórus, quando da elaboração de sua doutrina. Expôs, igualmente, que os documentos descobertos em Coumrã, em 1947, eram o elo que faltava para patentear que Cristo é o Crestus dos essênios, uma outra seita judia.

O cristianismo nada mais é, então, do que o sincretismo das diversas seitas judias, misturadas às crenças e religiões dos deuses solares, por serem as religiões que vinham predominando há séculos. A palavra “evangelho” em grego significa “boa nova”, já figura na Odisséia de Homero, Século XII, a.C.. Foi depois encontrada também numa inscrição em Priene, na Jônia, numa frase comemorativa e de endeusamento de Augusto, no seu aniversário, significando a “boa nova” no trono. E isto ocorreu muito antes de idealizarem Jesus Cristo. (La Sagesse, in “Jesus Cristo Nunca Existiu”).


Bruno Guerreiro de Moraes, apenas alguém que faz um esforço extraordinariamente obstinado para pensar com clareza...

Tags: Jesus Cristo, Provas, Históricas, não Bíblicas, da Existência, dele, existem,Ele foi uma, pessoa real, e não uma invenção,Fé em Jesus Cristo,evidências, sua existência, jesus, bíblia, milagre, historiadores,crestos,Crestos, o Messias, dos Essênios,mudou meu viver, é o senhor, roberto carlos,superstar, eu estou aqui, jesus chorou, está voltando, meu guia é,filho de deus,luz,nunca te abandona,nos abandona, desiste de você, 

2 comentários:

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Pessoa por e-mail:

Título do E-mail: VC ESTÁ COBERTO DE RAZÃO!

Olá Bruno, venho te parabenizar pelo site que desmarcara as religiões. Seu texto é muito claro quando diz que as religiões são a forma mais inteligente de dominar as pessoas, transformando-as mesmo em "cordeirinhos" do sistema. Olha, mas eu acho impossível conseguir alertar esses religiosos porque são pessoas que preferem se acomodar com o que lhes foi passado na infância e de nada adianta argumentar com essa gente, por isso eu acho desgastante tentar convencê-las. Eu, se tivesse um site ou publicação como a sua me recusaria a ficar debatendo e vc viu que as pessoas rogam pragas mesmo kkkk. Elas são más mesmo... Então, vc deveria responder somente aqueles que concordam com seu ponto de vista e que querem obter mais informações, para os críticos, nem responda. Acho que não vale a pena o desgaste. Ah e eles gostam disso mesmo de bate-boca de polêmica, eles sabem que estão errados, mas são conformados, não enxergam a vida deles sem a muleta que é a religião. Mas prossiga publicando as verdades, vc sempre terá seu público e apoiadores. Muito obrigado.

Resposta:

Ok, obrigado pela opinião, porém eu penso de outra forma, isso de ter de dizer o obvio é necessário, sempre as pessoas esclarecidas precisam bater na mesma tecla pois se aqueles que sabem a verdade, se omitem, então torne-se responsáveis se a ignorância se alastrar ainda mais. Ao não dizer nada, ao não dividir o conhecimento adquirido, então tornamo-nos negligentes e responsáveis pela miséria de pessoas inocentes que por motivo de pura falta de informação acabam caindo na ladainha das religiões de massa.

Eu me lembro de como eu era um tolo como todos os outros, aprendi desde a infância que “era assim” e quando me deparei perante os críticos tive uma primeira impressão ruim, fui humilhado (pois foi pessoalmente, e não online) mas depois para piorar eu tive de admitir que eles tinham razão, e que eu era mesmo um “otário”, mas eu não era “otário” por que queira, eu o era por que ninguém teve a bondade até aquele momento de me dizer o obvio, de apontar o que estava na frente do meu nariz mas que eu não enxergava por conta de toda a sofisma, retórica e enganação que é jogada na nossa frente, pelos padres e pastores, pela mídia comprometida com tal, ou qual religião e pelos repetidores, as pessoas comuns e humildes que assim como eu, também eram vítimas dessa lavagem cerebral maciçamente aplicada há mais de 2 mil anos no ocidente.

Hoje agradeço aos críticos que de forma acida e desagradável me fez abrir os olhos para o obvio e me obrigar a pesquisar até ver por mim mesmo que de fato estavam certos... Assim considero que muitos dos cristãos que me amaldiçoa em nome de Jesus, ou de qualquer outro personagem de ficção religioso, vão ainda me agradecer, olhar para trás e dizer, “É, ele tem mesmo razão...”, e vão agradecer aos céus ainda por essa “humilhação” ter sido online, em vez de pessoalmente.

Assim seguirei esclarecendo, e sempre batendo na mesma tecla, quantas vezes for preciso, bilhões de vezes se for o caso, até que essa escuridão trazida pelas religiões deixe de existir. Por falta de tentar é que não vai ser, de qualquer modo a minha consciência estará limpa. Não amargarei remorsos por dizer a verdade, mesmo que a maioria não goste, a verdade dói e a mentira mais ainda...

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Luciana Valente: Li uma resposta sua q fala sobre Crestos,cristianismo,desde uns tempos,q venho desconfiando,e até achava q estava ficando louca,ou pensava ,será q sou atéia? pensava :será q jesus é o próprio diabo?....começo agora a desconfiar q meus pensamentos não queriam me enganar...é assustador...porém uma espécie de entusiasmo me invadiu...será q estou começando a me libertar dessa escravidão?q pena que não posso sair falando para os outros...obrigada...continuarei estudando..

Bruno Guerreiro de Moraes: Ok, isso de falar que Jesus é o Diabo é uma brincadeira baseada no "modus operante" do suposto diabo segundo os religiosos, mas na verdade o tal Jesus nunca existiu, ele foi criado a partir da figura de Crestos, uma figura obscura que atuou em Roma e Alexandria nos idos de 50 d.C

Se puder leia toda a série sobre o assunto "Jesus" que tenho no site, o conjunto das evidências e bem convincente.

Luciana Valente: Ok,como disse continuarei estudando!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

wibiya widget

O que Está Acontecendo?

- “Lamento, eu lamento muito... mas a maior revelação que o ‘Salto’ trás não é consolador, mas sim perturbador. O Mundo em que estamos é um campo de concentração para extermino de uma Super Potencia do Universo Local”. [Bruno Guerreiro de Moraes]